domingo, 27 de novembro de 2011

Aprender a ver a natureza

Aprender a ver a natureza


Aprender a ver a natureza, a harmonia das cores sem regras e convenções .A energia potencial do movimento,com um olhar refletido de amor.
Das composições em igualdade, o mar com tons mutantes,com ondas de calmarias e ondas revoltas salpicando brancuras.
A terra que muda de cor, com suas montanhas que andam harmoniosamente.Na balança real das ações da vida
A luz do sol ilumina as cores amigas em mudanças rápidas dos reflexos dos raios solares,escurecendo ao por do sol.
No ondular das espumas das ondas. No sussurrar das cascatas na musica suave.
As pedras falam, em sons agudos, sons no pedido pela paz.
As plantas bailando com o vento com a inusitada canção vinda da orquestra sem maestro e o coro dos pássaros vibrantes
Os animais centenas de vezes, choram no lamento pela mãe natureza.
A chuva que varre em correntezas com furor, sangrando em dores.Calma seus pingos
espalham um aroma que atrai a paz
A floresta em tons de vários verdes que amenizam os ânimos exalando cheiros pela paz.
O céu estrelado piscando luz,e a lua cheia iluminando toda a terra para os homens seguirem caminhando em paz..
Eis a natureza correta.
Pela paz
Paz

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Valdeck Almeida de Jesus


V-Valoroso
A-Amoroso
L-Libertador
D-Devotador
E-Espetacular
C-Caloroso
K-Know-how


A-Artista
L-Leal
M-Meigo
E-Empreendedor
I-Inteligente
D-Destemido
A-Ardoroso

D-Dedicado
E-Encantador

J-Jovial
E-Esmerado
S-Sensível
Ú-Único
S-Sábio

Homem valoroso
Sai sempre em busca de novos talentos
Para lançar ao mundo
Fazendo história

Artista sensível
Tem o dom da palavra
Usando-a para o bem da nação

Dedicado escritor
Que com a sua caneta de ouro
Leva suas mensagens
Que ecoam por todos os lugares

Na tua jornada
És esmerado
Levando a todos
Cultura,luz e paz

Varenka de Fátima Araújo

Meu pai, meu amigo, meu irmão


A fotografia é luz e uma leitura visual. O mundo que habitas é luz e amor. Dia 12 de agosto na ACB, recebi das mãos do Dr. Luiz Barreto uma foto do meu pai, já desgastada pelo tempo, mas, ainda nítida. Na pose de formatura de economista, em volta da tua cabeça estava o elmo da luz, no teu olhar como o da Mona Lisa penetra na minha alma.

Na gaveta da memória, as páginas do nosso livro. Indeléveis tuas palavras sábias, papai. Ah! Papai tinha a sensibilidade na pele, sentias tão profundamente sem lamentos. Um psicólogo nato. Com tua voz empostada cantavas Malaguena, sempre fui tua fã.

Papai, meu amigo, desde pequenina me colocava em cima da mesa para que eu dançasse, aplausos. As batalhas travadas venciadas com tua inteligência, do teu lado me ensinavas a combater. Todos os ensinamentos foram assimilados e valorosos! Como as perolas nas conchas no fundo do mar.

Pai Chaginhas, meu irmão na nossa camaradagem, conversas inesquecíveis. Estavas sempre do meu lado, não me abandonaste. Apenas deste adeus a terra da boa esperança. Convicta que foste o melhor pai, amigo e irmão. Francisco Chagas de Araújo. Meu pai, tenho a certeza que estas no mundo melhor. Paz.

Varenka de Fátima Araújo 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pensamento - POESIA

Uns homens podem decepcionar;o sol com sua intensidade de luz pode queimá-lo;a correnteza da água pode arrastar o que encontra;a união de um amor pode acabar;mas a boa poesia salva vidas.


Varenka de Fátima Araújo

A força das palavras/Carlos D/Varenka

divulgar as palavras, a poesia
é querer elevar todo um pensar
faz libertar o povo da apatia
ajuda um pais a se endireitar

existe quem não queira ter
um povo que consiga pensar
pode assim o povo perceber
que eles os andam a enganar

existem pessoas determinadas
que com esforço e dedicação
se empenham na sua divulgação

querer promover as palavras
é um dever de toda a gente
é poder semear uma semente

--
Carlos D


Tornar notório todas poesias
elevando todo o pensamento
tirando o povo da indiferença
para o pais ter um rumo certo

existem quem não querem ter
um povo preparado, pensante
para que o povo não perceba
que eles estão só enganando

existem pessoas destemidas
com suas forçar e dedicação
vão a luta para a divulgação

divulgo as palavras,poesias
é o meu dever como cidadã
para poder salvar e semear

Varenka de Fátima Araújo

Quatro letras/sonetos/Carlos D/Varenka

em quatro letras se pode definir
um sentimento, emoção do prazer
uma saudade, entrega do um sentir
letras que nos fazem enlouquecer

elas sempre existem no coração
uns as trazem perto do seu dizer
outras as colocam bem no chão
juntas fazem parte deste viver

esta palavra existe no teu olhar
nos poemas que já te escreveram
nos abraços dos que te admiram

quatro letras que no seu juntar
descrevem o teu nome sonhador
e se transforma na palavra amor

Carlos D

As quatro letras  posso decifrar
um sentimento com  satisfação
uma tristeza em palavra sentida
letras que podem  enlouquecer

elas ficam bem no meu coração
uns levam na  maneira de dizer
outros jogam sem dó no chão
juntas elevam o próprio viver

palavra que está no meu olhar
poetas disseram ao escreverem
firmado em abraços admirados

quatro letras , brilhando juntas
que dizem o meu nome,sonho
em letras vermelhas é o amor

Varenka de Fátima
Do livro "SONETOS ETERNOS" Em.Dezembro 2010.

Dueto: Silhueta

A cada dia que passa,
relembro a sua silhueta a me olhar com desejo.
 Após aquele olhar penetrante,
  passamos a maior noite de amor que já tive na vida...
 Vestida, apenas, com um colar,
 amou-me, até o dia raiar.
Amém
Marcos Toledo

x -x - x

  A cada dia que vai passando,
recordo os seus olhos cravados na minha silhueta.
  Após aquele olhar fulminante,
passsamos uma noite de amor inesquecível...
   Seu traje,apenas uma gravata,
 amou-me,até o dia amanhecer

Varenka de Fátima Araújo

Palavras vãs

Este ardor que sinto por ti,
 é algo especial
 - cravo minhas unhas em tuas costas,
mordisco tua nuca,
 lambo teu ouvido,
sussurro baixinho que te amo
 sem que ouças.
 Embolo minha língua
 com palavras vãs,
 na hora do intenso orgasmo e os vários gozos.

Amém
Marcos Toledo
Escritor e poeta

Este grande amor que sentis por mim
é algo essencial
- envolvo-me em teus braços,
beijo tua nuca,
bajulo teu ouvido,
murmuro que te amo
sem que percebas.
Enrosco minha língua
Com palavras vãs
No intenso delírio e vários gozos

Varenka

Dueto:Ânsia

ÂNSIA

Eu mordo,
 te lambo,
me esfrego,
te desejo
- esse teu cheiro, deixa-me louco...
 Jogo-te na cama,
acaricio teu seio,
 te anseio.
Fico rijo e te penetro com força – gozamos.

Amém
Marcos Toledo
Escritor e poeta
x-x-x

Me prendes,
me alisas,
nos esfregamos,
nos desejamos,
- esse teu perfume,deixa-me enlouquecida...
 Lança-me na cama,
Podes afagar meus seios,
te quero.
Ficas rigo e me penetra - gozamos

Varenka de    fátima  Araújo

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Quando lembro de você

Lembro dos sonhos que alimentei
Do primeiro beijo um selinho autenticado
Que empolgou meu coração enamorado
Encheu-me de esperança por ser um beijo com amor

Quando lembro de você

Pele morena que durante o dia o sol,acolora
Tens a mistura das cores
Como fiz ao pintar teu rosto na tela
Cor da pele,branco,vermelho,amarelo e marrom


Quando lembro de você

Dos teus olhos negros nos meus
Penetrando no meu Ser
Sentindo o mundo girar sob os meus pés
Como posso esquecer tal momento?

Quando lembro de você

Apenas cinco minutos para fazer amor
Sinto o teu mel dentro de mim
O peito aperta e o corpo chora
Na espera de um novo dia poder estar com você

Varenka de Fátima Araújo

CONFIANÇA

Confiança é uma aliança
de amor e amizade sincera
quando somos criança
aprendemos a confiar em nossos pais
eles nos cuidam e nos passam confiança
quando crescemos nos casamos
e obtemos uma aliança
tudo isso é um sinal de confiança

Marcos Toledo

x-x-x-x-x-x-x

Confio em ti,fizemos uma aliança
De amor e amizade sincera
Quando éramos pequeninos
Aprendemos a confiar em nossos pais
eles nos ensinavam o caminho da verdade
quando ficamos maior de idade
firmamos um pacto poético
nos casamos e usamos uma aliança
Confiamos em nosso talento

Varenka de fátima Araújo

Nossas mãos

Tuas mãos junto às minhas transpiravam
Sorrimos, falamos e elas secaram
As minhas, secas acariciavam
Teu rosto, deslizavam em teu corpo

Belo e viril, senti um prazer indelével
Pensavam que elas te faziam bem
Mas não, estavas me estudando
Inteligente, sagaz e experiente

O teu corpo enlaçado ao meu
Ah! Ouvi canções que tocavam minha alma
Nelas você  transmite todo o teu  ser
Seja em forma de canção ou em poesias

O cupido do meu coração, desapareceu
Aguardo na ânsia do ensejo de encontra-lo
Para vivermos à loucura perdida
Numa noite de amor

Varenka de Fátima Araújo

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Natal

O nascimento de Jesus
Evoca o sentimento
da  existência com amor
para repartir com todos

Uma estrela brilhou
iluminando nosso rei
com poesia semeou
luz amor entre irmão

Somos como as estrelas
com tanta luz seguindo
uma estrada  afora

De mãos dadas, unidos
nesta passagem,ajudar
nossos irmãos carentes

Varenka de Fátima Araújo

Para YAN

Seis de agosto,ele chegou
Uma data muito marcante
Recordo-me dos detalhes
Do belo momento sagrado

Parto na hora desejada
Em noite de luar nasceu
Sobrinho-neto querido
Com alento  e esperança

A terceira geração amada
Bem-vindo  e comemorado
Um pequenino saudável

Mais Araújo em formação
Ele crescerá pleno e feliz
Hábil dedicado e amoroso

Varenka de Fátima Araújo
Do livro "ETERNOS SONETOS" EM Dezembro de 2010

JOÃO LUCAS

J - Já sabes,que és um médico valoroso!
O - O que com cautela e sabedoria,vence...
A - A tua natureza prática,nos cativa
O - O que podemos confiar

L - Levas um coração cálido e adorável!
U - Unicamente para salvar vidas
C - Capaz de escalar montanhas para fazer o bem
A - A melhor recompensa,és coroado de êxito!
O - O que me acompanha por anos,meu predileto.

Varenka de Fátima Araújo

Acróstico: SÚSAN SPENCER

S - Sua imediata cordialidade é encantadora
Ú - Unica,denota inteligência em cada um dos seus traços
S - Sua diplomacia é uma característica própria
A - A que possui talentos múltiplos
N - No seu caminho um tapete para uma mulher especial

S - Sedutora
P - Poderosa
E - Esmerada
N - Natural
C - Corajosa
E - Esplênderosa
R - Radiante

Soneto Eterno

Pode ser distancia este mar
ou um caminho de ligação
só no mar eu de leve tocar
sinto os dedos de tua mão

nossas palavras estão unidas
num dueto, soneto eternamente
emoções, amizades sentidas
que ficam  além do presente

aqui te deixo este soneto
como verdadeira gratidão
por tua amizade, teu coração

sito-me agora ser completo
por ter um soneto publicado
e tua amizade ter conquistado

Carlos Dias

Que a distancia deste mar
seja o caminho de ligação
se no mar quiseres me tocar
unindo nossos dedos das mãos

nossas palavras para sempre...
belo dueto, sonetos eternos
sincera amizades sentidas
que ficam além do infinito

este teu soneto indelével
demonstra tua imensa gratidão
veste em mim lagrimas, emoção

sito-me hoje ser felizarda
por ter-mos um soneto publicado
tua amizade, uma preciosidade

Varenka de Fátima Araújo
Meu amigo Carlos D.Obrigada por tudo.
05 de março de 2011

As palavras...

as palavras são inspiração
são jardim onde nasce a fantasia
são momentos de meditação
são pensamentos do dia a dia

por vezes choram de amores
outras revelam uma saudade
outros são belos louvores
ao amor e à amizade

em duetos, versos, prosas
revelo  tudo o que tenho
lágrimas, amores e por vezes adagas

mas que não me falte o engenho
para que no fim da vida, ao acabar
em verso, o sorriso possa transformar

--
Carlos D

X    -     X

Sim, palavras são inspiração
campos onde nasce a ilusão
são instantes de meditação
estimulo do pensamento,dias

que transmitem os amores
outros mostram a tristeza
outros cânticos de louvores
tanto ao amor e a amizade

em duetos,versos e prosas
mostram o intimo que tenho
lágrimas, amores em textos

que não me falte a memória
no final dos meus dias,acabar
em poesia,sorriso firmados

Varenka de Fátima Araújo

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

INSTALADO O DESEJO

Instalado no húmes de tua vida
estou submergindo no gozo
de teu corpo quente
 alcançando a porta do teu paraíso
e com minha tocha de vida animada
atravesso tuas unidades de prazer
para embelecermos em sonhos de amor

Vitor Manuel Guzmán Villena

x – x – x

Inserido no húme da minha vida
estás imergido no gozo
do meu corpo ardente
chegando a porta do meu paraíso
e com a tua tocha de vida animada
passas através das minhas unidades de deleite
para em sonhos nos amarmos

Varenka de Fátima Araújo

Dueto: Eu sou assim

Meu pensamento é teu
Costuram minha vida
Impeço;não vejam a saída
Escondo-me nas suas idéias

Você tenta me impedir
Eu tentando te conter
Mesmo sem você me ver
Irei sem medo de persuadir

Eles te olham de cima
Eu te escuto por dentro
Como um imã: teu centro

Não sou vida, nem tu
Sou sombra e bem nu
Sou de verdade ninguém

Danilo Cangucu
Poeta, ator, Diretor teatral, fotografo
www.danilocangucu.tumblr.com

Sou pensamento em tu
Alinhavam minha vida
Impeço, não tem saída
Guardo-me em idéias tuas

Não tento te impedir
Você tenta me conter
Sei, você não me ver
Irei para ti convencer

Eles me olham de cima
Você me escuta, dentro
Pressiona em meu centro

Não sou vida, nem tu
Sou espelho, estilhaço
Sou apenas ninguém

Varenka de Fátima Araújo

SÓ TENHO OLHAS PARA TI, MINHA AMADA

(Dedicado à minha querida esposa ROSILAND)

Tu és, amada, o melhor de vida
Que habilmente Deus a mim concedeu:
Companheira ajudadora, assim me deu;
Flor perfumada, colo que me dá guarida.

E prometemos sempre nos amar
Na bonança e na adversidade.
Fazer-te feliz, é prioridade;
A qualquer preço, nunca desamar.

Teu prazer, seja sempre o meu querer;
Mesmo que o meu se reduza ao nada.
Sem te exigir, amar sem requerer.

Me retribuis, de toda apaixonada
Dizes é meu também o teu querer.
Só tenho olhos para ti, minha amada!

Bosco Esmeraldo
x-x-x

A tua amada, um presente da vida
Deus  abençoou e  a ti concedeu
Companheira lutadora, que te deu
A mais bela flor,que te abriga

Juras,devem ser eternas no amor
Nas horas boas e na divergência
Que a faça feliz,  primeiramente
Nem pensar, não podes desistir

O querer da amada seja o teu
Não deves o teu querer anular
Não exijas,amar por querer amar

Tua recompensa, ela apaixonada
Percebemos,os dois se querendo
Só tens olhos para tua amada

Varenka de Fátima Araújo

Dueto: Esse amor

Esse amor é um presente de teu agora
De ti o amor ganhei e para ti retorna
Em forma de entrega e tanto que estorna
A sombra de doer de antes se demora

Ainda tece assuntos onde a luz hiberna
Mas se chega o amor com sua fala eterna
O mar fica maior e a cor da natureza
Coloca em cada flor um mel de beleza

Ganhas de mim um amor que vem de tua lua
E logo ganho de te amar de alma nova
O amor quando vem não precisa de prova

Acontece de repente no cio da rua
E o mundo estanca e gira muito louco
Dos escombros escapa e voa pouco a pouco

Geraldo Maia Santos Maia Santos

x-x-x

Esse amor que me entregas com ardor
Recebo o presente amor para ti retorna
De jeito que na entrega total, tanto vibra
Na treva de doer de antes atrasa,não
Ainda reza assuntos onde a luz impera
Mas com teu amor com a tua voz eterna
O mar fica imenso e a cor da natureza
Deposita em cada flor um néctar,amor
Entrego o meu a amor a ti nas fases da lua
E ganhas o meu amor de alma nova
O amor quando chega não precisa de juras
Agasalha repentinamente no cio da rua
E o mundo gira velozmente,é o amor...
Escapa das ruínas e voa como um pássaro

Varenka de Fátima Araújo

Dueto-Libido

Lembro-me dos seus gemidos, das suas unhas cravadas em minhas costas e a sensação de prazer que deixamos naquelas águas. Ali soltamos nossas feras, nossos orgasmos, nosso tesão e descobrimos o nosso libido um pelo outro.


Marcos Toledo

Recordo-me dos seus sussuros,das suas unhas enfiadas em minhas costas e a sensação de bem-estar que deixamos naquelas águas.Ali soltamos
nossos desejos,nossos orgasmos, nosso tesão e saciamos o nosso libido um pelo outro.

Varenka de Fátima Araújo

Dueto:Desespero!

É uma insônia...o que sinto
É o desespero mudo que o peito despedaça,
E oblitera a razão!
Desamparou-me a crença...
O mais precioso escudo!
Abandonou-me a fé...
Meu único bordão!
Pegaram-me no encalço,
Os tormentos de Orestes
Como que em redor de mim.
Tudo se descombra!
Sorrio como Lear,
Louco despedaçando as vestes
Ouvindo como Hamlet,
Interrogando as sombras...
Eu, em que tempo esquecerei minhas mágoas?
Que inferno...é tragédia a minha dor?
E assim,obedecendo ao faldário
Hei de entre os homens errar...Triste e esbugalhado Jó
Sem pão e sem carinho...
Orfeu dorido e insano
A carpir e a cantar...

Francisco Chagas Araújo (Meu pai)

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

É uma insônia ...que me invade
É um desepero ensurdecedor,que estraçalha o coração
Afeta a minha razão
Não consigo entender o por quê de estar tão só
O meu precioso escudo ainda tenho
A minha fé e a religião
Não virão ao meu encalço
Os tormentos de Orestes
A loucura de Lear
Ao despedaçar suas vestes
Nem tão pouco um Hamlet
Vivendo as sombras.
Orfeu dorme em sonhos eternos
Sinto apenas a angústia de Antígona
A ira contra os atos de Medéia
O suicídio de Ofélia pela rejeição de Hamlet.
Diante de tantos fatos
Ainda me resta a esperança,
Enquanto viver... mudar o percurso desse estado da mente

Varenka de Fátima   Araújo

São Valentim,,,O amor

   Dez mil vezes São Valentim
   Por que assim fica o numero comprovado
   Contando o dobro de vezes que casou jovens
   O amor justificando todos os mandamentos

   Dez mil vezes São Valentim
   Por amor e com amor apostou sua vida
   O véu dos enamorados,sua sentença
   Silenciando para sempre,vida breve

   Dez mil vezes São Valentim
   Que sobre as flores da terrra,seu amor triunfa
   Quatorze de fevereiro,data especial....
   Os namorados comemoram com muito amor.

   Varenka de Fátima Araújo
    14 de fevereiro de 2011

Essa noite

No silêncio soturno sozinha
A solidão machuca meu coração
Ouço suas batidas intensas
Deixa que bata como batuque

Suas batidas asseleram
No mesmo ritmo da percursão
Batidas continuas sentidas
O sino em sons forte,quatro veses

Ah! suas batidas num compasso
O sino bate em outro compasso
Sons que se misturam,encanto!
Como partitura na canção despertar

Minha alma renasce fortalecida
Rompe as fronteiras do meu corpo
Em passos ritimados pelas batidas
Sinto um alento no coração,alegria!

Varenka de Fátima Araújo

Hora de namorar

Aquele bilhete tocante ao leu
Foi-se no vento, fazendo roteiro
Avisando ao mundo o nosso namoro

Aquele cartão já amarelou
Tinha uma flor e um ramalhete
As palavras de amor estão apagadas

A carta, o perfume se evaporou
As linhas escristas apressadas
Nem sei onde anda este amor vadio

Mas, te proponho, vem meu amor
Traga a garrafa de vinho...
Aguardamos a hora de namorar

Varenka

Sim,amor

Em baixo do teu umbigo
Tens o meu prazer
Um volume que cabe...
Todo em minha mão

Cabe dentro de mim
Uma parte do teu corpo
Solidário,ardente
Hilariante,sim amor

Prazeroso,sinto aqui
Um vir espontãneo
Um sair rapidamente
Que me faz delirar de amor

Ainda que não continues,não
Sairei a procura de outro amor,sim.

Varenka de Fátima Araújo

Não importa o que sinto

O inverno chegou furioso devastando tudo
Um dia sem equilibrio e totalmente desigual
Caminhei entre as pedras,água enferruja tudo
A sombrinha voou e fiquei ao relento por igual

A roupa pegajosa os pingos fortes ritimados
Trepidei ao ver o rapaz todo ensanguentado
O sangue jorrava pelo rosto,faca lado dado
Nesta vida louca que faz o jogo bem apertado

A morte tem cores quentes e frias,foi arma fria
Falando assim parece que defendo toda causa
Não importa a dimensão do grito,infernal frio

Não importa que vermes devorem milhões de corpos
Não importa que tantos homens sejam  truculentos
Não importa que a dor que sinto marque meu corpo

Varenka de Fátima Araújo

Desejo de poeta

De permanecer na terra
O poeta na solidão
Incerteza....
Tempo breve
Para deixar sua obra
É preciso não ter limite
Um pouco de loucura
Morrer cada dia
Sair da sepultura
Para Ser eterno.





Varenka de Fátima Araújo

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Outono,nasce um amor

Esta estação esplendorosa,vem depois do carnaval
No caminho  as folhas amareladas e avermelhadas
Formando um espesso tapete no chão da praça
Cantarolei e o ritmo em mim do "axé-music" da Bahia

Ensaiei uns passos da dança que semeou a terra
Como os frutos que caem  tão doces e saborosos
Surgem micaretas nas cidades sem carnaval de rua
Vou atrás da banda maçã,mel,chiclete com banana

O clima nos favorece não tem tanto calor,vem
Nesta magia e encanto encontro a porta do Paraíso
No agarradinho,no roça roça,os corpos entrelaçados
Entre  maçã, beijos e sussurros explode o amor!


Varenka de Fátima Araújo

No inverno,o amor é uma canção

Cai a chuva...O amor aquece o dia
Cai a neve,intensifica o amor
Vem a noite me envolvo em teus braços
Amo a maneira como te entregas

Cai a chuva...E o sons continuam
Amo em todos os cantos,sem espanto
Amo teu jeito de homem que machuca
Amo teu jeito de todo poderoso

Cai a chuva...Sons crescentes
Amo teu amor despudorado
Amo sem nenhum preconceito
Em sons decerscentes amo teu segredo
Guardado apenas entre nós dois.

Varenka de Fátima Araújo

Meus dez anos

Os meus dez anos
Que não voltam
Recordo da minha infância
Que o tempo não apagará

Junto com outras crianças
Juntas brincávamos de esconde-esconde
Juntas cantávamos, cantiga de roda
Juntas passávamos o anel

Como é bom ser criança!
Criança que brincava de dona de casa
Que confeccionava os móveis de caixa de fósforo
Que esperava o dia da criança

Para ganhar um brinquedo
Presente de feira era o melhor
Presente do comercio era como o bibelô
Presente é uma surpresa
Lucro para o comerciante.

Varenka de Fátima Araújo

Perfume

Oh! Caso grande
Oh! Aroma que embriaga a alma
Que nos aproxima
Que nos seduz


Que impregna a roupa
Que faz lembrar
Quem está a mil milhas
Um amante perdido
Um grande amor.

Varenka de fátima Araújo

sábado, 12 de novembro de 2011

Amor poibido

Minha nudez é o sentimento
Minha vestimenta a razão

O que está por baixo
Cubro com tecido cor da pele

Para disfarçar meu desejo
Por cima um veludo preto

Meu corpo com outra identidade
Não revela este amor proibido.

Varenka de Fátima Araújo

O natal está chegando

O natal está chegando,o tempo voou. Eis a oportunidade de reunir a família. Surpreende me a ausência física do meu pai Chaguinha, que sempre foi nosso papai Noel e fazia questão que todos da família estivessem presente para passarmos junto a festa natalina. O presépio era enfeitado com flores para ficar mais alegre e belo.

Para entendermos a mensagem do presépio. Só quem é capaz de reconhecer seus limites e sua fragilidade. Pois o presépio prega ensinamentos diferentes do mundo.

Ensinamento do presépio:

"Uma criança: fragilidade
Uma jovem: humildade
Um homem: silêncio
Pastores: simplicidade
Magos: curiosidade
Animais: o mundo terreno
Flores: alegria
Anjo: mensageiro
Estrela: uma guia"

A criança indefesa é a resposta do anseio de Deus ao infinito do ser humano.
 Maria a honrar com seu nome por toda humanidade. Um homem José, com seu silêncio, homem justo, que viveu em função do filho do qual viveu

Os pastores ouviram o anúncio e correram ate a gruta, os primeiros a verem o menino. Só os simples entenderam a linguagem de Deus.

Os magos foram em busca do recém nascido. Só quem tem coragem de sair de si, vai ao encontro de Deus.
O bafo dos animais aquecem a gruta fria.
Flores que ornamentam dando alegria.
O anjo é o mensageiro que anuncia a chegada do Salvador.
A estrela com luz guiou o caminho de Belém.
O natal é de solidariedade. Um natal mais verdadeiro. Um natal de amor e Paz.

Varenka de Fátima Araújo

Biografia: Pe. Aderbal Galvão de Sousa    

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

livro “Ela em versos”, de Varenka de Fátima Araújo sob a visão de Valdeck Almeida

Resenha

O livro “Ela em versos”, de Varenka de Fátima Araújo sob a visão de Valdeck Almeida

10/11/2011

Varenka de Fátima Araújo – “Ela em versos”

A escritora se apresenta ao mundo literário com fragmentos de um inverno em forma de canção.

Pleno de emoção, o livro começa com uma ode ao pai da autora, num texto que denota carinho e saudade, além de reconhecimento pela doação de anos que Francisco Chagas de Araújo (Chaguinha) dedicou aos filhos.

Aí vem textos para a mãe Maria Albanisa Araújo, outros no mesmo tom para a tia Irene, o filho Vidmar, Vovó Amora Beata Maria de Araújo, “parente distante”, mas bem próxima do carinho e afeto de Varenka.

O livro é recheado de emoção, como a poeta. A poetisa-autora fala de amizade, amores idos, da arte da dança – em que é formada pela UFBA -, natal e de coisas simples como um par de óculos que esconde, talvez, um olhar tristonho, saudoso, febril. Este é o tom do livro de poemas, que canta a simplicidade da vida, esta mesma vida que Varenka aproveita para curtir com muito amor.

Valdeck Almeida de Jesus
18 de outubro de 2011, 16 horas

domingo, 6 de novembro de 2011

Dança do ventre

Pés descalços no chão vermelho
Sorriso nos lábios  cor do pecado
Cabelos soltos  fios vermelhos
No ritmo  constante  acelerado

Suas mãos que adejam pelo ar
No ventre a sensual,fertilidade
Ancas soltas  movimentos no ar
Como a terra,  a mãe eternidade

Tohia Carioca  nome foi dado
Função derbakita que misturam
Sons árabes e brasileiros, belos

A dança do ventre para os Deuses
O corpo vibrando em oferendas
Mas pode seduzir qualquer mortal

Varenka de Fátima Araújo

Dança do ventre folclórica

Danço descalça em casa e na rua
Giro sem preocupar com técnicas
Nem preocupo em dançar na rua
Palco elemento cênico presente

Com taça o corpo todo iluminado
Jarra na busca da água,  equilíbrio
 Bengala, firme corpo  iluminado
Pandeiro toque que marca o ritmo

Objetos da dança ventre folclórica
Tão soltas, praticadas no Ocidente
Ritmo e sensualidade na folclórica

A dança que marcou minha vida
Que se dança em todas as idades
Continuo dançando por toda vida

Varenka de Fátima Araújo

Dança do ventre com bengala

Dança do ventre,sou mulher Isis
Danço como uma boa bailarina
Dedicando o ritual a Deusa Isis
Na fé religiosa, mãe bailarina

Ondulações abdominais, quadril
Imitando as contrações do parto
Mão em ritmo,batidas no quadril
Mostrando a fertilidade no parto

Com a mão movimento a bengala
Ela entre os dedos, malabarismo
Coloco nos seios e elevo a Deus

Ao meu redor dançarinos belos!
Dançado com o bengala no ombro
Numa perfeita comunhão divina!

Varenka de Fátima Araújo

Dança do ventre com o véu

Me entrego totalmente a dança
Em movimentos fico bem leve
Para os Deuses é que eu danço
Arte divina! Elevo meu espírito

Em extensão de uma bailarina
Meus braços e mãos entre véus
Uso transparente com leveza
Com várias cores um encanto!

Durante a dança jogo um véu
Equilibrada desloco em giros
Vislumbro quem pegou o véu

Que faz parte do meu figurino
Essa intenção está preservada
Não será desvendada, mistério

Varenka de Fátima Araújo
Do livro Etrenos Sonetos

Meu sorriso

Ai que vida que adoro!
Meu sorriso vai para ti...
Retorna para mim...meu sorriso
Nem as mil agulhas que recebi
Não apagaram o meu sorriso
Este sorriso em tela imortal

Sim,a foto...Que foto?
Aqui,olha para a foto
Varvára é impressionante
Teu sorriso o mesmo
Um som crecente,alegria!
Contagia quem está por perto

A leitura da lente falha
Não,não,nem sempre
Uma escrita do momento que fica
O registro para toda vida
Bem feito fica para posteridade
Não tenha medo do tempo,uma foto

Ai, que vida que adoro!
Vivo bailando no compasso...
Do ponteiro do relógio
Vivo sorrindo para o tempo
Vivo sorrindo, meche com tudo
Ai,vida como quero que dure...

Varenka de Fátima Araújo

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Um poema para um Amado

Na praça Castro Alves
Inumeras coloridas suspensas
Dos personagens de Jorge Amado
Treme a praça, o povo no sobe e desce

Deleite aqui, abri os braços
O filho no chão da praça
Meu olhar no gozo
Desejos da vida

É noite ilariante...
Oh! Aqueceste me em teus braços
Oh! João Jorge Amado
Foste breve, como o carnaval

Publique às  cartas do teu pai...
Para tua mãe, nos tempos do exílio...
Este  livro faço fé
Tão esperado em agosto de 2012.

Varenka de Fátima Araújo

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

PAZ

Uma palavra...Paz
Vamos falar....
Vamos falar...Paz
Eu quero paz
O povo quer paz
O povo luta pela paz
O povo canta a paz
Símbolo...Pombo
O povo desenha a paz
O povo pinta a paz
A palavra paz
Como pacífico
Objetivo pacífico
Colaboração pacífica
Trabalho pacífico
Tratado pacífico
Nações pacíficas
Paises pacíficos
Tanta paz....
A paz está lá no fundo
dentro de cada um
NósXPaz

Varenka de Fátima Araújo

Rio Amazonas

Vedes o Rio Amazonas
Na sua imensidão
Com águas de março
Com águas de maio
Com águas de julho
Com águas de milhões de anos
A bacia amazônica transborda
Segue seu percurso rolando e rolando
Banhando terras e seus afluentes
Águas límpidas que salva vidas
Com sua imensa riqueza
Todos sabem disso
O que não percebem é o perigo
Por Deus as pessoas gananciosas
Vem para se apossar das águas doce do rio Amazonas
Navios e mais navios com a nossa água
Levando para outras continentes
Agora devemos nos unir
Agora devemos lutar
O Rio Amazonas é nosso!

Varenka de Fátima Araújo
Do livro do GACBA.Em Dezembro de 2009

Mãe Terra

Mãe que expele todos os dias filho de luz
Nunca deixa teus filhos sem alimento

Mãe terra que registra marcas dos que pisam
Guiando todos por caminhos diversos

Mãe que dar a todos um punhado de terra
Jamais reivindica direitos.

Mãe terra que chora pelo submundo constante
A ganância de uns filhos, desnorteando

Mãe terra que receberá os filhos, joia emprestada
Que um dia retornarão ao seu abrigo eternamente.

Varenka de Fátima Araújo