Sejam bem vindos ao meu Blog

"O Artista se eleva pelo prazer da beleza dentro de sua criação."

Minha origem

Sei que amo. Conheço minha origem, respeito a mim mesma, tenho consciência da miscigenação e da minha cidadania.

Bahia de Todos os Santos

Moro na Bahia de Todos os Santos, abençoada por 365 igrejas, um legado deixado pelos Portugueses. No sincretismo religioso, o abraço com todas as religiões.Um povo que vibra sem intolerância religiosa.Tenho fé e amo meu povo!

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Prioridade

Começa aos 80 anos diz o decreto
Mas, não respeita o moço o velho
Vício do motorista do ônibus não parar
A cabeça branca não paga, não valem

É preciso que se explique
Tem lugar de prioridade em certos locais
Uma nova lei, passe livre com 65 anos
Mas, já que começa mesmo com 80 anos

Não zanguem mocinhos,nada de mi mi mi
Ruguinhas vão chegando a partir dos 30
Toma, se a sorte ganharem
Muitos não chegam aos 20 anos

Tomem picaretas sem escrupulos
Não ficarão na História
A época do César já passou
A vez é dos que fazem o bem

Varenka de Fátima Araújo


Nas ruas

Nas ruas vão mostrando úmidos prantos
Testemunhas das dores calamando diante do horrores
Ossadas já não cabem em cemitérios
A cada passo oscilante pode ter uma cilada
Nas celas já não comportam os témiveis
Talvez nascem do peito de muito chagas
Planos desfeitos de jovens saudáveis
Filhos órfãos sem rumoc, sem futuro
Pais que não virão filhos formados
A missão acaba muito cedo por outro mirando ódio
E, as falacias não convence
Abem brechas para novas discursos.

Varenka de Fátima Araújo

Carta para Juracy Costa

Carta para Juracy Costa

Meu bom amigo,

Não vou expor a sua vida.
Fiquei abalada com o seu sofrimento, permita a intimidade do seu corpo e mente, a vida é uma constante prova para nossa existência. Viva, permaneça insistindo no que gosta de fazer, jogar xadrez vai ajudar a ocupar a mente e, muitos dependem dos seus ensinamentos, escrever, faça um diário. A prova da vida é respirar, piscar, caminha. Tudo você pode continuar fazendo é uma questão de tempo. E então hoje, você curtiu o que postei, sinal que vc abandonou esta fragilidade, a pessoa não pode desistir, uma ferida aberta pode ser costurada, os detalhes depende de você.

Da amiga de sempre

Varenka De Fátima Araújo

domingo, 14 de janeiro de 2018

Paz- vejam o vídeo

sábado, 13 de janeiro de 2018

Reflexões


quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Hoje é dia do Senhor do Bonfim

Aí vai meus queridos leitores
O Brasil começou na Bahia
A terrinha fica no Nordeste
Silêncio! Aqui tem sincretismo
Se a justiça, por ter olhos vendados
Aqui, para assombro uma multidão
Vestidos de branco, vão da Conceição da Praia
Em procissão à pé para o Bonfim
Famintos de dinheiro, cura, justiça
Uns rezam, outros cantos, muito choram
Aqui, o pobre se mistura vendendo água
Uns gritam Senhor do Bonfim
Outros levantam às mãos para Oxalá
O azul do céu confunde com a luminosidade do sol
E, ao meio dia com a porta da Igreja serrada
Baianas lavam a escadaria da Igreja ao som
Do hino do Senhor do Bonfim.

Varenka de Fátima Araújo




domingo, 7 de janeiro de 2018

O mar

O misterioso que me atrai
Sons extasiantes como sintonia
Águas me beijam aos bocados
Calmas, de vez em quando

Espumas da cor da neve
Na cabeça um horizonte
Mesclado de azul e verde
No meu peito palpitar da gaivota

Mas ah! adoro o roscar nas pernas
Guado o frescor de um jovem
Como o amor durasse, eterno
O mar que me tranquiliza, amo

Varenka de Fátima Araújo

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Faltam asas

Um pouco mais de carvão, era brasa
Um pouco mais de sepia em meu corpo
Para queimar minha dor por inteira
Falta umas asas para voar sem destino

Tumulto neste sub- mundo em contradição
Onde o sol brilha tostando como fogão
E, o meu papagaio bateu voo, doí muito
Dentro de mim  não sobrará orgão

Não chorem nesta hora, fui sem paixão
Minha emoção paira no imensidão do nada
Enquanto o sonho, sonhos de amores partiram
Ficam letras, não vernáculas em papéis amarelados.


Varenka de Fátima Araújo



quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Portal CEN - Neste Natal


Martin Luther King

Martin Luther King

Eis, um herói pacífico
Com persistência um negro
Afronta com palavras um país
E vence a discriminação racial
E o Estados Unidos de norte ao sul
Conhece o discurso " Eu tenho um sonho"
E para assombro do mundo, amostra
O selo, a prova desta verdade
Em locais públicos o negro teve voz
Com sua postura de lutar sem violência
Em sua simpleza não ostentou nenhum título
O poder das palavras, valeu seu reconhecimento
Como um lutador de uma raça sofrida
Seu nome ficou na História eternamente.


Varenka de Fátima Araújo

Ana Frank

Ana  Frank

Era uma pequena cheia de ideias
Tinha tantos sonhos indeléveis
Desperta para quimera, fantástica
Esperta de braços para o horizonte

Sensível, seu coração lamenta
Que seus amigos em peso se foram
Burlava suas emoções vivas
Que no exílio, tanto sofria

Era uma pequena valente
Nem o cárcere fez recuar
Sinal de uma menina genial
Em letras foi confirmado

Os infames no esquecimento
Vermes sustentados por infernais
Que o mundo baniu os malfeitores
Que todos saibam do século maldito

Era uma pequena com muito amor
Modesta, queria apenas viver
Por suas mãos ficaram letras
A qual, a morte não apagou.

Varenka de Fátima Araújo

Sociedades Enfermas

Sociedades Enfermas

Lamentamos todos uma vida a menos
Que rege conflitos, ante tantas barbáries.
É que o ódio anda em mentes doentes
Se as raças estão gladiando
E há perda da visão da irmandade.
Lamentamos todas as mazelas contra mulheres
Que fazem memórias, povoando os continentes.
Se a mulher faz um grande homem vencer,
Só  monstros podem torturar, matar com crueldade.
Lamentamos os abusos e matanças contra crianças
Que carregam mudas de plantas para plantarem,
Que fazem renascer esperanças vindouras.
Lamentamos os cachos rubros das flores, frutos,
Que são arrancados do solo por desordeiros
Que lançam sem pena no ar, já pesado de gases,
Que poluem rios e mares, fazendo meio mundo moribundo.
Lamentamos mentes insanas das Sociedades enfermas.

 Varenka de Fátima Araújo

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Camara Brasileira de Jovens Escritores

Chegou, justamente em um dia especial, meu certificado, livro e medalha, era 29 de dezembro de 2017,  pois completava 31 anos de existência da www.camarabrasileira.com.br, onde venho publicando. Parabéns para todos desta conceituada Academia.



Malas

Era esse quadrado,  retângulo dourado,
Prateado,  vermelho,  azul,  preto
Somente guardava roupas,  sapatos
E tudo mais era silêncio na contagem
Marcaram muito durante guerras
Guardavam muito dinheiro na confusão
Indo esconderem em baixo do chão da cama
Em sótãos,  no quintal com o nome de botija
Muitos faleceram, sem tempo de revelarem o local
Tantas botijas enriqueceram os descobridores
Muito tempo se perderam esta nostalgia
Mas ganharam outros poderes
Foram levadas por uns senhores
Pode se ouvir os estalar dos dedos na contagem
Puseram tanto dinheiro,  abarrotando um montão
Esse dinheiro era retirado dos programas da saúde,
Educação, foram tirada da boca do povo
E, agora, sumiram malas como doril.

Varenka de Fátima Araújo



Filhos sem eiras...

Tudo se repete, como o egoísmo e o vício
Não sei como serão as crianças que virão
A molecada esta sublimando o discurso
Estão no roça e roça sem medir às sequências
Cansei de tapar frestas, o amor não foi compensado
A filha de João é do José, ela pede pensão
Como se fosse um samba enredo, tem DNA
Muito erado a avó pagar pelo pato
Presta atenção garotas o pênis não tem olho
Enfia no primeiro buraco e , não raciocina
Os filhos de hoje, serão o espelho do amanhã
Vele pensar que o dinheiro não cai do véu
Como mamãe e papai são os que só querem
O bem dos seus filhos pro futuro da Nação.

Varenka de Fátima Araújo

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Para LUNA

Ainda um ventre te apetece
Escolheste sabiamente
A união é a tua missão
Eles,depois, saberão, pois sim
Tu pretendes ser bailarina
Por rebolar muito
Serás muito mais...
Formosa com seus olhos
Veloz como uma ágia
De um voo só, vêm para nós

Varenka de Fátima Araújo

Inspirado o poema em um de Neruda

Um pouco de Neruda e, eu

Se fosse o sol iluminava 24 h, era só dia
Se fosse a lua mesmo com a intensidade da luz do sol estaria encantando
Se fosse o mar alimentaria sem cobrar
Se fosse pé de manga balançava para dar sombra
Se fosse um rio, mandava muita água
Se fosse um pássaro cantarolava " É preciso saber viver"
Sou feita de pedras, minhas mãos esculpiu outra mulher Pedra.

 Varenka De Fátima Araújo

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

FOCUS

Calo-me diante dos meus dedos
Não sei por quanto tempo vou ficar assim....
Me cortaram, machucaram muito
Pago o dobro, pago como escrava
Com o peso na cabeça
É esta crise que me consome
Com um efeito de desfigurar todos
Não sei como fazer para publicar
Se o dinheiro não vale
A realidade é muito crua
Nunca fomos livres.

Varenka de Fátima Araújo



sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Exposição de retratos dos professores na APUB

Eu me dispus a pintar os retratos dos professores,Otavio, Roberio Marcelo e Bubucha,
ontem, bem no ano de 2.000, eram acrílica sobre telas, eu tinha muitos sonhos, foram muitos blá, blá,blá, minha mãos firmes, um cavalete, nas pegadas, uma exposição que rendeu. Hoje, não se vende, a arte está agonizando.

Varenka de Fátima Araújo

Osmar Macedo , Fundador do Trio Elétrico.


Ele é o que mais queria sua xilogravura, está bem atrás, acho que tinha um pouco de amor pelo fundador do Trio Elétrico Dodô & Osmar, eramos vizinhos, até dançamos juntinhos, ele: Varenka, eu sou imortal, vivo sei. Eu me lembro de tudo como, me lembro dele tocando, caminhando na cozinha e, dos golpes que recebeu em vida, soube sempre perdoar.E, Osmar Macedo é IMORTAL.

Varenka de Fátima Araújo

Uma porta lacrada

Mandei lacrar uma porta para guardar o fruto do nosso amor, talvez, nunca entendeste de amor, palavras são meras palavras, sussurravas, eu te quero muito, era o fogo de mais uma trepada, os hormônios pegado fogo. Agora, do lado de cá, escorrendo pelos meus dedos, a cor da vitória!!!!Sei, moras no inferno.

Sem título

Aqui não precisa de título, um quadro que pintei, sim
pra uma exposição....
Não sei o nome do médico que adequeriu, para colocar em sua sala,
então, gente o importante que foi vendido.

Varenka de Fátima Araújo