Sejam bem vindos ao meu Blog

"O Artista se eleva pelo prazer da beleza dentro de sua criação."

Minha origem

Sei que amo. Conheço minha origem, respeito a mim mesma, tenho consciência da miscigenação e da minha cidadania.

Bahia de Todos os Santos

Moro na Bahia de Todos os Santos, abençoada por 365 igrejas, um legado deixado pelos Portugueses. No sincretismo religioso, o abraço com todas as religiões.Um povo que vibra sem intolerância religiosa.Tenho fé e amo meu povo!

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Carta para o filho

Ao meu querido filho


Vupt, Vidmar! É um prazer que não se explica seu nascimento...

Vou contar-te nossas andanças, agarrei-me ao meu querido menino com uma pitadinha do branco,

do índio e negro, meu garoto genuinamente Brasileiro. Cresces-te como a  única verdade em minha vida,

na minha memória imprimo nestas linhas, a figura do meu pai passando ensinamentos para ti, diante do teu herói , seguis-te com bravura neste Mundo desigual.

E, de mais, além de tudo vences-te todas empreitadas.

Seja como for, somos parecidos na personalidade. Sim, somos destemidos neste chão rachado.

Meu filho, foste a melhor revolução em minha vida.


Varenka de Fátima Araújo


Salvador - Bahia - Brasil

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Em noite de Lua cheia.

Em noite de lua cheia


Resumindo tudo
em pedaços de atos

Meus olhos nos seus
devorando nossos corpos

Borrei o seu corpo
com salivas incolores

Suas mãos deslizavam
como na dança do tango

Cheiros, mordidas, chupões
invadindo curvas intimas

Ofegantes e trêmulos
gozamos no mesmo momento

Os delírios dos prazeres
foram saciando no último passo

Por sorte, a lua cheia
presenciou um ato completo do amor.


Varenka de Fátima Araújo









sábado, 9 de junho de 2018

Gratidão Léa Lu.

A imagem pode conter: Varenka De Fátima Araújo, texto

domingo, 3 de junho de 2018

Dr. Túlio da Boa Morte

Dr, Túlio da Boa Morte

Ele não era para mim somente meu amor
Um amor de um médico, acompanhando minha dor
Que foi meu amor entre anéis brilhantes
Impresso enfeites reais entre dois amantes
Sua voz grave soa na porta do ouvido direito
Vamos, vamos dançar minha querida
Viver, começava com um homem caridoso
Foi breve como o passar da lua entre nuvens
Pois agora só restou o a lembrança do seus feitos
Morrer tão cedo, não esperava aquele acidente
Era prudente, a mulher ao volante foi a culpada
Sua reluzente carreira de Doutro jovem foi efêmero
Bruscamente interrompidos por um freio
Dolorosa espera de dez dias no hospital
Por último um telefonema comunicando sua partida
Chorei, chorei como jamais chorei por um homem
Entre o céu um avião levou seu corpo
Para a cidade onde jaz o corpo do seu pai médico
Guardo sua imagem como a alma mais honesta
Hoje, esqueci de mim, de preto como o luto que vesti
Em todas missas, onde ás lagrimas inundavam meu rosto
Não sei tive a impressão, todos tinham o mesmo sentimento por Túlio.

Varenka de Fátima Araújo

sábado, 26 de maio de 2018

Dona Abigail

Eis então a história de uma mulher casada com filhos, a historia de Dona Abigail Rocha Matos, que viveu em sua casa na rua do cruzeiro em Juazeiro do Norte, Ceará. No mundo poucas pessoas conseguem uma romaria em sua porta, ela tinha o poder e conhecimento sobre homeopatia, pessoas de outros lugares procuravam em sua casa, ela com delicadeza perguntava o que a pessoa tinha, passava uns nomes no papel, dava umas bolinhas brancas, uma cura, o desconhecido voltava contente com um presente. A historia é real, na minha fragilidade, um dia voltei ao Juazeiro, desta vez para entrar na cena, na porta de Abigail, tinha de acabar com meu dilema, fui muito bem recebida, contei a verdade, queria uma formula de destruir com minha ansiedade, ouço, ainda sua voz me aconselhando, me deu uns frascos com às famosas bolinhas, beijei suas mãos, não sabia, foi um adeus. E feliz por um tempo fiquei, acabou o remédio, em Salvador não tinha, mas até hoje sinto um alívio com seus ensinamentos para amenizar a tal ansiedade. Dona Abigail merece uma estatua sua na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil.
Varenka De Fátima Araújo
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e óculos

Mulheres no volante

Mulheres, como arrimo de família
No volante de uma VAN
como operária do METRÔ
de outra maneiro no BUZUZINHO
dirige muito bem no ÔNIBUS
tem uma CAMIONEIRA
aqui na Bahia, são profissionais.
Armadilha
em todos veículos, não me machuquei
com o Jegue, levei um coice, ficou a marca.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, árvore, cavalo, atividades ao ar livre e natureza

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Ai, nas calçadas

Era cedo, ou, tarde, talvez
onde um homem esgotada da vida
estirado sobre um papelão no chão
a cada passo como na amrelinha
em outro quadrado, na mesma posição
um amargurava o peito, com mão estendido
mais um passo no terceiro quadrado
um crânio tremendo, acenando
não era normal nesta via, pode cre
está tão banal uma vida, aqui
no estado que estão, um suspiro será o último
são tantos iguais, na profundeza do nada.

Varenka de Fátima Araújo



O gato amarelo

Um amigo de verdade.
Era uma vez um gatinho inteligente e depois abandonado.
Esse gatinho tinha a cabeça aberta por fungos, morto de fome, os ossos do corpo bem visível, parado na calçada.
Esse gatinho vive no interior, mas um novo dono, cuidou, passando remédio, boa ração, banho.
Lá o gatinho encontrou um lar, vivaz, todos gostam dele.
Senti- se bem, adaptou-se, amigo fiel.

Varenka De FátimaA imagem pode conter: gato Araújo

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Atelier de Antonio C. Reboças

O inverno já anunciou, mas pela tarde o céu estava com nuvens brancas, sempre olho pro céu, rumei para o atelier de Antonio C.Antonio C. Rebouças, muitos anos nos separou, encontrei com um sorriso em seu espaço branco como uma nuvem cheio de telas e esculturas em minha prece, vi muito do artista e do homem que me emocionou muito, não sei demostrar meus sentimentos, como disse certa vez o professor Onias de Belas Artes: " Varenka sempre esteve na dela.". Obrigada Antonio C. Rebouças.A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

terça-feira, 15 de maio de 2018

O livro é um Mundo

A imagem pode conter: Varenka De Fátima Araújo, sentado e área interna

domingo, 13 de maio de 2018

Farol da Barra




sábado, 12 de maio de 2018

Era só os pés

Era só os pés
na janela
não tinha suspeito
os pés no terceiro andar
poie é, não mostra o corpo
então
sobrou os pés
uns gritavam
se joga homem
é,e os pés estáticos
parece com pés de gigante
não, não se sabe boborô
deixa pra lá
sumiram
repetinamente
surge um anão
estavam olhando?
vão trabalhar
cambada de desocupados.

Varenka De Fátima Araújo

domingo, 6 de maio de 2018

Segestes Tocantins - Retrato Falado -

sábado, 5 de maio de 2018

Igreja de São Francisco de Salvador-Ba





segunda-feira, 30 de abril de 2018

Diploma de Varenka de Fátima

Nenhum texto alternativo automático disponível.

domingo, 29 de abril de 2018

Hereditariedade de Luna

Hereditariedade de Luna
Já foi registrada no papel
Já tem seu CPF com 11 dias
Os olhos puxados do avô materno
O nariz todo do papai na modinha
A boca carnuda sensual
Ora serena, ora risonha
Pairando os tracos paterno
Com pernas e braços com força
Ela parece mesmo com o papai
O gênio vai um pouquinho dos Araújos
Estou falando da minha sobrinha neta.

Varenka de Fátima Araújo



quarta-feira, 25 de abril de 2018

VIVO

E assim a VIVO vai tirando nosso sangue, acabo de receber um telefonema da Vivi do outro lado uma voz se não atualizar o plano par um mais barato, vai pagar mais caro.Era 17:30 de dia 24 de abril de 2018.

domingo, 22 de abril de 2018

Pintura em vinil, pastel e colagem por Varenka de Fátima

Bem-vindos à casa do começo
só a construir por meu avô materno
então recorre a construção de malas
de cores para vender na feira, sem estudo
não sei onde tudo começou
sei que minha mãe tinha amor pelo pai
acompanhava vendendo malas e temperos
antes do meu avô não tem recordação.
A imagem pode conter: 1 pessoa, chapéu

Décimas de PAZ



Diploma de Honra

A imagem pode conter: texto

segunda-feira, 16 de abril de 2018

LUNA, NASCEU

Assim, falava minha irmã Fadila ofegante
- Luna nasceu, foi dolorido o suplício
E era quatro horas da madrugada do dia 16 de Abril
Monime, começou tremendo de dores do parto
Na cidade Luz não aceitaram
Zarpamos para o Hospital Sagrada Família
Eu, assisti o parto chorando e chorando
Luna minha netinha inocente como um anjo
Não me deu detalhes precisos
Ela gosta de suspense, minha irmã
Na terra Luna vem com uma missão
Eu, a ruiva tia avó da menina vai ama-lá.

Varenka de Fátima Araújo