Sejam bem vindos ao meu Blog

"O Artista se eleva pelo prazer da beleza dentro de sua criação."

Minha origem

Sei que amo. Conheço minha origem, respeito a mim mesma, tenho consciência da miscigenação e da minha cidadania.

Bahia de Todos os Santos

Moro na Bahia de Todos os Santos, abençoada por 365 igrejas, um legado deixado pelos Portugueses. No sincretismo religioso, o abraço com todas as religiões.Um povo que vibra sem intolerância religiosa.Tenho fé e amo meu povo!

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Venha sorrir com a gente!!! Dr. Patrick Mascarenhas


Lá vem ele
sorridente
afetuoso, convidativo
vibrando-lhe os olhos
com honra, fidelidade
existe um grande reinado
escondido na mente
fazendo a festa o moço
segue girando no recinto
misterioso e encantador!
É impossível conter
o sorriso fascinante.
Em, " Vamos Sorrir"
o doutor inventor
do sorriso franco.

Varenka de Fátima Araújo








domingo, 23 de abril de 2017

Ilhas da Bahia - Clik em veja mais,um vídeo.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Coletânea Apparere de Poemas


Cabelo



Delongas
Estou ficando careca, sabe?
Estou colocando fio por fio em
minhas bonecas, da licença, posso sim.
A porta só abre de dia,
a noite não pode vaguear pelas ruas
os mendigos dobram esquinas
mentiras são faladas como verdades
tando diz e nada, nada.
Para ficar calada tem de enfiar a cabeça no balde
os peixes não vão gostar
acreditar depende de entender.
Eu não me iludo
a procissão vai passando
sem uma palavra solta com Ordem
também não entendo muita coisa....
Como os que falam e, usam sua força.
vejo rostos cansados, humilhados
desanimo em cada um que passa
não vejo a hora de acabar com essas delongas.

Antologia Virtual CEN XXII Edição

Olga Amazona
Ela é fascinante
parece a outra Olga
e de improviso
lá vai defendendo
por mistérios outras
mulheres, em tempos
lambuza sua telinha
entre os dedinhos
palavras certeiras
piruetas faz pra valer
ligeira e inteligente
se mostra calminha
sendo um vulcão
faz da profissão sua lida
segura cabeças pontudas
muitas quadradas
umas fora de órbitas
outro talento possui
uma poeta brilhante
o seu corpo em riscos
cresceu formoso
continua pequenina
dentro do meu coração.

Varenka de Fátima Araújo

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Paus brasis

Contanndo umas historias
um povo em pavoroso
só levanta na miséria
parecem caranguejo
sofrendo  de forma dessa
num  País fabuloso

Um reside na calçada
foi um capitalista
vindo do Brejo solteiro
queria vencer na bolsa
então furou seu bolso
chamava Sonalísta

Senhora de Roma dona
duma loja  tecidos
com honestidade
tesouro  destruídos
fitas fez de moldes
foi pra praça  Unidos

Depois Mocinha faleceu
apenas de combinação
não vivia como diarista
não guardava um tostão
seu corpo foi pra vala
não tinha sequer irmão

Mora aqui na cidade
um mendigo sem dente
mas disputa com Modesto
parca porção somente
o moço mais fedorento
pega comida fedente

Uma jovem do Mundo
uma mulher assanhada
foi pra cima do Roleno
acertou bem de cheio
apareceu a barriguinha
na  rua só espantada

O rapaz não achou justo
ela com grande tristeza
ao relento trazendo
uma criança na pobreza
não teve a tanta sorte
subiu  morro com certeza

Viagem de falsidade
conhece de presente
um mulato Sildade
o grande amor chegado
rapaz desce do morro
bum, uma bala perdida

Nesse governo enganoso
nada é esperançoso
sem grande segurança
tudo é engenhoso
ele só de todo poderoso
vai matando o povo

Varenka de Fátima Araújo

domingo, 9 de abril de 2017

Solale Barbosa

Fabulosa loirinha
olhar penetrante
gesto feminil
mente que atrai
bons fluídos
prazerosa, felina
segue faceteando
com elegância
desprendeu se da terra
que foi seu berço
começa a festança
em outra terra promissora
tentando ornar frases em inglês
esfusiante, dirigindo
na neve, pelas ruas
tinha uma carta marcada
encontra o amor
não foi um conto de fadas
na verdade era seu amor
guardado só para você
junto da sua família
que será para sempre
Feliz aniversário, prima

Varenka de Fátima Araújo

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Conceição Castro


Ela estoura
com a folha exposta
não, não é com o lado
louco do momento
creio com sua lucidez
cabelos lilás,rosas, pretos
ficam bem na cabeça
toda, toda moderna
seus olhos captam
tudo o que vai rodando
aparece e some
com a mesma firmeza
resumindo tudo
Obrigada, amiga

Varenka de Fátima Araújo

sexta-feira, 31 de março de 2017

Carta - Povo

Ao Povo,

       O tempo passou com o vento que soprou e dispersou às sementes, embriões.  Ainda o céu anil borrado de nuvens, chuvas  de mil esperanças. Depois visões que turvam a mente, são os homens jogando fagulhas queimando a Terra, esses homens passam com suas vaidades efêmeras, enriquecem com a fartura da mãe terra, devastando matas, poluindo rios e mares, matando os animais raros, garimpado com seus golpes e, mortalhas fúnebres. Os verbos da existência mimosa não conjugam, o Progresso e a Liberdade, estão sendo banidos, labaredas de rancores estão bebendo.
          Mascaras dos ímpios homens permanecem fixadas nos rostos dos atrozes, talvez o inferno já esteja instalado no Planeta. A seiva dos homens bons que tocam pianos  é pequena, pequena, que suas missões não atingem neste plano.  O Planeta com suas chaves de eternas portas, abem para todos, os severos juízes  os escarnecem, encerrando portas, aprisionando os animais, homens, terras demarcadas, limitando tudo. Os demônios estão soltos, monstros, piores que horríveis monstros, estão destruindo, só faltam privatizarem nosso ar.
          Povos, conclamo todos unidos com fé, coragem, irmandade, para  lutarmos por nosso Planeta Terra.

Varenka de Fátima Araújo

domingo, 19 de março de 2017

Agradecimento ao Heli Sampaio

Me equilibrando entre o fio da calçada
Esbarrei com o sol beijando muitas pedras
Visualizei uma porta me convidando para adentrar
Mergulhei nos olhos azuis da cor do mar
Na profunda sintonia com Heli Sampaio
Investigador de coisas maravilhosas
Pedras preciosas, fotografias, foceis arqueológicos
Hábil na oratória foi um encontro inusitado
De um gosto por letas rebuscadas
Um acolhimento da Mulher Pedra, sarau Varvara
Heli sendo diretor do Museu geológico
Acolhendo todos artistas com diplomacia
Homem de muitas facetas sensacionais
Sendo o Museu um lugar sagrado das Artes
A mais alta posição deve ser do diretor 
Heli Sampaio merecedor de muitas honrarias.
Gratidão meu bem feitor.

Varenka de Fátima Araújo







Sarau Varvara

Procurava uma Pedra Filosofal, encontrei várias no Museu Geológico da Bahia. Motivada com o apoio do Diretor Heli Sampaio Filho, reuni outras entre às pedras do Museu, vários poetas que primam pelas expressões poéticas, soltaram suas poesias desde "Mulher Pedra" surgindo o Sarau Varvara.
Neste livro, estão poesias dos poetas que participaram do Sarau e Varenka.
Como um diamante que solta luz, poetas com suas suas poesia iluminam com toda intensidade este livro.Poetas que estão no livro com suas poesias; Elder Santos, Yuri Santana, Olga Amazona, Elisenilda, Robson Dy Corrêa, Luiz Barreto Vieira, Audelina Macieira, Valdeck Almeida de Jesus, Fabio Handel, Antonio J. Cardiais, Conceição Castro, Conceição Ferreira, Dr. Nilvano Andrade, Maria Anita Guedes, Leandro Alves Dias, Valter Bitencourt Júnio, Milica San, Germano Machado,
Fátima Oliveira, Varenka de Fátima. Tem uma foto de Josue Ramiro Ramalho declamando.

Varenka de Fátima Araújo

Heli Sampaio


Heli declamando minha poesia " PAZ" e "Trovas de Amor". Foi gratificante ouvir na sua voz  minha poesias.Tive mesmo muita sorte em conhecer um homem que valoriza os poetas, artes. Da luz singela, vibramos com mais um sarau Varvara.

Nada de carne

Ela, não come carne,
só o abraço do Mauricio,
faz ela sentir o cheiro de carne com paixão.


Varenka de Fátima Araújo

sábado, 4 de março de 2017

Para Guilerme Bazán Becerra

 Para Guillerme Bazán Becerra

    Com carinho,

    Guillerme Bazán Becerra, estou te escrevendo para expressar o meu sonho, palavras não dizem muito, ficam um pouco nas entrelinhas.
    Guillerme  Bazán Becerra, quando recebi tua mensagem pela net, que é uma pequena tela para aproximar os queridos separados pelos  mares e terras. Sim, pedias que eu enviasse uma poesia para uma Antologia Internacional. Uma estrela brilhou, nada mais era breu, tu sabes realizar os sonhos dos poetas, meu favorito escritor com maestria, minha esperança ultrapassou meu desejo, foi concretizada, traduziste minha carta para o espanhol para perpetuar tanta harmonia entre amigos da Literatura.
     Levantaste meu espírito meu bom amigo, já, já, amizade é o amor primeiro, profundo e indelével!
     Tudo aqui é mais difícil, tudo soa falso, poucos são os divulgadores Internacionais, viajam com muitas idéias, nada constante, talvez seja pela triste faze que  estamos atravessando no meu Brasil.
      Guillerme Bazán Becerra, introduziste outro ritmo para elevares os poetas, escritores aos céus, com letras brilhantes diversas, espalhando cheiros de amor.
        Tua missão desbravador de poetas é imensa, meu sonho, é grade, é grande, vamos juntos plantando semente. Quiçá no princípio, meio, fim do Mundo estas letras façam outras pessoas enxergarem o amor.
         Para escrever esta carta, pedi um sonho, onde sua figura fizesses uma aparição, cá entre nós, todos fiquem cientes, tu pareces fisicamente com meu pai, laços familiares com lampejo de amor nos envolve.
         Desejo muita saúde, disposição para tua longa jornada.

Um abraço para ti, meu grande amigo.

Varenka de Fátima Araújo

quarta-feira, 1 de março de 2017

Diploma de Honor Y Gratitude


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Lançamento do Livro Sarau Varvara 13/03/2017


domingo, 5 de fevereiro de 2017

Ouro, ouro quêm quer?

 Sim, porque o melhor brilho é do ouro, não podemos usar na rua, já sabem o marmanjo pega, com estratégia. Não pode..., pode sim, usar em festas, os famosos usam, tem umas que usam tanto ouro, ficam parecendo árvore de natal, ouro é ouro.
Acontece que o ouro vale tanto, como o real, existem pessoas nas ruas com cartazes  indicado onde se compra, ou, vendem ouro.
Olha, preste bem atenção a malandragem é bem esperta..., eu não tenho, nem uso, meu luxo é um bom livro, feliz é quem tem um livro.
A terrinha, como chamam à Bahia é riquíssima..., então, estão comentando que no interior da Bahia descobriram ouro, os garimpeiros estão fazendo festa, estão indo para o sertão, cavando, enfiando a mão na terra, retirando ouro, a população do local está em alvoroço.
Os que vão para lá, estão pegando uma barrinha de ouro para desfrutarem neste tempo.
Pobreza tem, melhor esquecer..., mas, a terra é rica. Os jornais não publicam, faz muito bem. O ouro ofusca muitos, pode ter  uma invasão sem precedentes.
Lembrando  teve um  baiano que rumou para o Juazeiro do Norte do Padre Cícero procurando ouro.
Que pegadinha?, o ouro sempre esteve na terrinha de um famoso baiano.

Um homem disfarçado.

De tempos em tempos, Margarida faz seu passeio matinal, segue para Araújo Pinho para colocar em ordem pendências. Como sempre anda pela calçada, encontra com um homem alto escuro com roupas de tons: branco e preto sentado na calçada  com um giz na mão desenhado na calçada.
Entretanto aquele homem estingava a mulher, ela circulando seu desenho que olhando rapidamente parecia, um macaquinho que às crianças, em seu  tempo gostavam de brincar. Mas..., não era um macaquinho, não tinha o céu. Depois de cinco minutos, ele levantou a mão, pediu uns reais.
Os olhos de Margarida quase pulavam, então o senhor quer dinheiro para quê?
Não senhora, não posso falar.
Margarida inconformada..., ah, vou te dar dinheiro, não possa saber como o senhor vai usar...., dinheiro não cai do céu, o meu é do meu suor, fica com seu céu seu mendigo.
Não sou mendigo, sou arquiteto.
Ela, examinou bem o desenho, percebeu que era uma plante de um edifício
Luz, giz, cimento, concreto, esqueceu o que falou para o homem, colocou uns reais em sua mão.
Fatos inexplicáveis perseguem este homem, tem consciência do que faz, ele lê jornais, não é um pedinte qualquer, nesta terra tão rica.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Eu amava brincar e dar voltas em postes. No entanto tenho meu nome em um poste em Plataforma pintado por Perinho Santana, fui verificar para aplacar minha curiosidade e agradecer ao artista.

Mulher= poesia de Varenka de Fátima



Olhar para paredes, muros pintada com poesia de Perinho Santana ao  livre em Plataforma, em meio ao tempo. mas esta ideia vem da cabeça de Perinho Santana e que ele se apreça em executar, vai ao terminar de pintar a poesia e volta para ver o trabalho. Assim este livro, abre suas páginas de dia e noite. Eu me sinto honrada e, ao mesmo tempo me considero uma felizarda por ele ter selecionada uma poesia minha, colocada na Casa do Poeta


Perinho Santana


Pintor, poeta , labuta faz muito tempo, pintando suas poesias em muros, como se fossem páginas de livros, suas pinturas são feitas em Plataforma, um bairro bem distante do centro de Salvador. Não tem patrocinadores, tira do suado dinheiro, um pouco para comprar tintas, pinceis. Eu sei .....,da sua luta, ele tem filhos, um pequeno para criar. Sua casa está pintando poesias em todas paredes para inaugurar como CASTRO ALVES A CASA DO POETA, não é reforma, apenas um sonho. Que coisa ele precisa só de uma ajuda. Mas essa é a verdade de todo artista,  têm de ter...,garra, sensibilidade, autenticidade. Vamos seguindo, fazendo o papel do produtor,divulgador..., essa é a onda gigante que engole muitos, eu sei Perinho, seu legado vai ficar eternamente.



quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Biblioteca Patativa do Assaré - SP

Conheci Marina Gentile na Feira do Livro do Campo Grande. Quem é Marina? Uma escritora, avida colecionadora de livros. Mãe amorosa, esposa fiel, é uma pessoa de punho forte. Marina foi embora para o São Paulo. A feira do Livro, eles acabaram, conduzindo inevitavelmente para empurrarem os poetas, editores para um beco sem saída, lamentamos com o fim da Feira mas, continuamos publicando com o nossa suado dinheiro, lançando livros em Saraus, não, não o povo não ficará mais pobre sem cultura. Aqui, vamos dando um jeitinho.
Em uma certa noite, eu sonhei com meu pai, ele costumava dormir, acordava às 4 horas da manhã, pegava um livro, largava para tomar café, meu pai em sonho me orientou, vai doando os livros filha, acordei, eu me pus como uma menina procurando meu pai, ele me deu um toque, procurei uns livros enviei para Marina para que ela colocasse em uma biblioteca, demais para mim, meu livro na Biblioteca Patativa do Assaré- SP.

Pintura de Perinho Santana

Perinho Santana, vive em Plataforma, sempre foi um Mestre nato, da pintura por aqui, quanto cheiro de tinta, talento próprio, Perinho escreve poesias, mistura com tinta em muros, paredes, chão, deposita em prática sua arte que começou lá atrás. Acompanhei quando entrou na Internet, postando textos e pinturas suas, reclamava do tal bicho da net, foi vencendo, uma chance de divulgar seus trabalhos. Lá em Plataforma tem Perinho, bem humorado, por vezes aflito com o que se passa em sua volta.
Desculpa se espalhafatosa sou, é o meu jeito, um certo dia ao abrir o Facebook estava esta foto, caramba..., ele é mesmo um artista. Amigo, foi uma honra para mim, não tenho uma placa de rua, tenho o meu nome em uma pintura, rodeada de letras com o meu nome. O tom da minha enorme placa ficou sensacional! Vai do outro lado de Salvador o meu, muito obrigada.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Noite de Reis

" Noite de Reis"
Despedaçou minha mente
como raios certeiros, anda, segura
enquanto esperava o resultados do exame
os dias escorregavam em noites doloridas
era preciso descontar essas sensações
bom dia, Doutora Dora Robatto Carvalho
é difícil mostrar o que não pode ser visto
bom dia, Varenka,vem , vou olhar o veredito
nada, você não precisa de nada, livre
vai fazer exames de seis em seis meses,
eu sempre fiz, então estou salva.
Gratidão Dora Robatto Carvalho.

Varenka de Fátima Araújo

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Para Maria Aparecida Feitosa Jacob Gomes

Aparecida Feitosa Jacob Gomes,
A mulher que vivia a frente de uma época. Bonita, charmosa de uma alegria contagiante. Ela conduzia sua vida muito lúdica.
Em uma tarde de primavera, em um degrau da entrada da sua casa, com um pacote de cartas com selos de Portugal, com uma aguda consciência de não querer responder todas, estava eufórica. Não há meio termo para ela, subi os degraus, ela colocou em minhas mãos umas cartas: - E para vc responder estas cartas, poder ficar amiga ou namorar um deles.
Eu tive a impressão de que minha face ficou vermelha, tinha pouca idade, meu pai não queria meu envolvimento com homens antes dos 15 anos.
Agradeci a Cida, passei uma noite sonhadoramente escrevendo para o Norberto, foi uma correspondência de respeito, uma amizade sincera bem distante.
Repentinamente, meus pais decidiram colocar seus filhos em sua Rural verde e branca ruma para Bahia.
Não houve despedidas, o tempo fez sua parte com a ajuda do Facebook, um encontro a moda da net.
É evidente que nunca parei de escrever cartas. Além do mais o tempo é monótono para uma pessoa que gosta de movimento com cores.
Cida de mil sapatinhos, vestidos de tecidos finos, sorrisos francos.
O meu muito obrigada amiga.
Varenka De Fátima Araújo