Sejam bem vindos ao meu Blog

"O Artista se eleva pelo prazer da beleza dentro de sua criação."

Minha origem

Sei que amo. Conheço minha origem, respeito a mim mesma, tenho consciência da miscigenação e da minha cidadania.

Bahia de Todos os Santos

Moro na Bahia de Todos os Santos, abençoada por 365 igrejas, um legado deixado pelos Portugueses. No sincretismo religioso, o abraço com todas as religiões.Um povo que vibra sem intolerância religiosa.Tenho fé e amo meu povo!

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

IMORTAIS






sábado, 14 de outubro de 2017

Cachoeira da trilha da Prainha - Itacaré

A trilha começa depois da praia da Ribeira em Itacaré, um terreno ora plano, ora de rochas, passa por
cachoeira, pontes, o verde comanda, ar puro,todo pomposo, flrora e fauna beijando o rosto, encantamentos que os olhos jamais esquecerão ao trilharem. Uma voz de locutor: " Olha a água pode levar você ".Enquanto, ela olhava o volume de água ao som do canto do pássaro.

Varenka de Fátima Araújo

Ecologia

No meio da trilha da prainha
Casa de pau
A palavra de um ecologista
Do seu pensamento
Uma arquitetura perfeita
Paus da própria mata
Para diluir o gosto
Dos passantes, turistas
Sufistas, que gozam os prazeres
De uma caminhada
O cooper é praticado
Para a saúde  agradecer.

Varenka de Fátima araújo

Baluarte da Paz


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Bilhete de Vícto Manuel Guzmán

Cuando abro las ventanas de mi espíritu te busco y me pierdo en ese camino largo para llegar a ti. Pero existe un encanto especial y... no desisto.

domingo, 1 de outubro de 2017

Dança do Ventre




quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Bilhete - Adeus

Foi muito chato
o nosso primeiro encontro
poucos aconteceram
logo, acenei um adeus.

Varenka de Fátima araújo

sábado, 23 de setembro de 2017

Carta para mamãe

Alô mamãe, Albanisa, Ziza
Estou de cabeça para baixo
Sua voz canta como o Bem-te- vi
Filha, bem te quero vê
Farrapadas palavras me arranham
Dos que zombam
Sou o reflexo do meu pai
Seguindo o som
Eu irei, mamãe.

Varenka de Fátima Araújo

segunda-feira, 11 de setembro de 2017


Cachoeira de Itacaré

Límpida água
Pedras desertas, subindo vai para outra praia
Descendo, águas que desaguam no mar dos sufistas
Não bastam às subidas, descidas, matas
Temendo o abismo do cano para atravessar
O espectro de Eurico " O Presbítero"
"Não olhe para o precrípicio".
Sim, eu sinto um mundo gentil.

Varenka de Fátima Araujo


Francisco Chagas de Araújo




quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Colagem em Vinil

O texto do Jornal Correio, Terça Feira, 13 de outubro de 2005 - Cidade baixa esquecida. " Ela é linda por todos os lados. Mas que pena, está precisando de muitos cuidados e reparos. No percurso da Orla, da Pedra Furada, até perto do Humaitá, às encostas estão precisando de proteção, a terra pode ceder e, soterrar várias casas. Nos Mares quando chove, o lugar vira rio. vem chegando o verão e, até agora não lembraram da cidade baixa.
Varenka de Fátima.

Que lástima, continua precisando de segurança, a Cidade Baixa, fica em Salvador. Tempos difíceis.

Como o Condor

Só pela arte
como o Condor
que sobe aos céus
em seu voo rasante
diz a todos
em seu canto
que é Poeta.

Varenka de Fátima Araújo

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Janela

Da janela
folhas trepidam
pássaros em voos rasantes
em um lugar imaginário
onde os gritos não soam
grandes passos de pessoas
grandes ausências sentidas
uma ré sem compromisso
um corpo beijou o asfalto
só resta agora eu triste
o maior mistério é a morte.

Varenka de Fátima Araújo

Canção do amor

Há tanto tempo tento te falar
Mas minhas palavras não encontram eco
Então fiz esta canção
para te dizer que tu és o meu amor...

Quero dizer
Que a tua pele na minha pele
Ah! Vai fazer eco
mas ecos de amor, só amor

Quero também dizer
Que eu só tenho o teu amor
Para fazer companhia
à minha triste solidão...

Vem acalentar o meu coração
Ah! meu amor, meu amor
Vamos gritar bem alto
e juntos fazer eco, ecos de amor...

Varenka de Fátima Araújo

Sem pudores

Despida
Na calada da noite
Vejo a aurora romper...
Enrolo o lençol
Em volta do corpo
Saio a vaguear
No jardim sou das flores...
aspiro o perfume
Orgasmo das rosas
Inebriada corrida desenfreada
Numa busca de amor....
Eu quero um homem
Que me faça levitar...
Eu quero um amor
Que me faça delirar....

Varenka de Fátima Araújo

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Flipelô

Buscando ampliar o grande momento da nossa Cultura e da literatura no período da FLIPELÔ, o Projeto de Literatura Alma Brasileira e o Projeto Cultural Cantina da Lua , estarão promovendo noite de autógrafo e Bate Papo com vários escritores da literatura baiana e de todo o Brasil
O evento acontecerá nos dias 10 e 11/08/2017 , a partir das 19:h no Bar e Restaurante Cantina da Lua . Pelourinho - Salvador-Ba. Estarei dia 11 com o relançamento do meu livro Fatos e Retratos neste evento.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

COMENDADORA VARENKA DE FÁTIMA ARAÚJO




Moção de Aplausos


Se o homem para levantar um Edifício se equilibra com sua equipe para transportar pedras para o alto. Existe os cinzamentos, vigas de cores, o vento ao favor e o tempo marcando. No começo voei no nada, de um degrau senti o desequilíbrio, fui ao chão, levantei, sempre com muitos poetas, dei mil voltas, divulguei...Eu bem sei que Moção de Aplauso, é um incentivo da parte do portal Escbrás.


terça-feira, 1 de agosto de 2017

Cheiro

Um profundo aroma
era da cor amarela
pintando no lençol
um gosto por outra
a avó sem perfeição
fez do pano sua cama
com a pena pluma
pintou em saltos
soltura de amores
harmonias ressoaram
como quem comanda
sentido o cheiro do amor
traça o desenho
com tal empenho
esculpe com rapidez
olhar atento vidrado
com sua cor incerta
na lua cheia
em ponto frontal
foge do perigo
lhe diz a face
sou felina.






Varenka de Fátima Araújo

terça-feira, 25 de julho de 2017

Rei Arthur

Um gato lutador, veio das trevas da solidão, pele malhada ossos à vista, chegou atraído pela ração, a fome matando. Meu filho adotou, tinha uma patinha sempre pedindo alimento, come, vai pra cama, muito esperto, sabe onde pisar. Rei ARTHUR, um nome perfeita para um gato que ama sua casa.

Ziza

A princesa ZIZA, como ela é linda, meu filho, com olhos reluzentes de vagalumes, vista sempre de frente para rua, atenta, quem pode ver suas qualidades, os sensíveis. Os anéis prateados dos seu cabelos confundem com o chão. Ziza é do signo da inteligência e, o mesmo apelido da mamãe Albeniza sua vovó Ziza.

A mãe

Ela chegou de mansinho, preta, ficou gravida, teve a Ziza, aparece e, desaparece, acha que perdeu o lugar de rainha mas, tão querida.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

PORTAL CEN - "CÁ ESTAMOS NÓS"

Ah, Carlos Leite, 19 anos sobre sua direção o PORTAL CEN divulga escritores, poetas do Brasil e Portugal. Imagine, eu divulgado, fazem uns 4 anos e um pouquinho dias o PORTAL CEN _ " CÁ ENTRE NÓS" estou contentíssima amigo. Mil vezes obrigada. Varenka de Fátima Araújo

quarta-feira, 19 de julho de 2017

O rapaz e sua sacola

A rua cheia de ambulantes
o vendedor não perde seu amabilidade
são frutas para todos os gostos
estranho a situação que nos encontramos,
pô, logo se aproxima um pedinte
com sua sacola, pede uma fruta
para uma freguesa idosa
ela, pergunta quê fruta, homem
ele, aponta, aquela manga,
pinha,banana,laranja, mamão,
ela, é sério quer todas, só uma rapaz,
é, eu sou, então, uma manga
ele coloca no saco, já quase cheio
segue fazendo sua feira na moleza,
a senhora, parece que ele vai vender,
sabe, todo mundo aprendeu enganar
é sério, ele é sozinho no mundo,
no fundo todos estamos só.

Varenka de Fátima Araújo


quinta-feira, 6 de julho de 2017

Diploma de honra - Pablo Neruda


terça-feira, 4 de julho de 2017

Livro liberdade Antologia Poética

Em um mão um quadro de Maria Quitéria primeira militar do Barsil, se fez homem para lutar pela Liberdade em 2 de julho. Na outra mão um livro " Liberdade Antologia Poética" , com 100 poetas soltando em versos, poemas, poesias Liberdade tanto procurada. Eu tinha um pensamento, não, não, outro anseio, revelarei um dia.




Recebendo do diretor Carlos Venttura uma chave.

Presidente Carlos Venttura, neste dia recebi uma chave da suas mãos, perdi outras,perdi chaves da minha casa, corria e corri muito, aprendi com Venttura que a arte tem muitos atalhos, brincava com suas medalhas, sei o tamanho do seu valor.Gratidão.



domingo, 2 de julho de 2017

DELEGADA CULTURAL

TÍTULO REMIDO a Delegacia Cultural de MG, A Delegacia Cultural Confere este Título REMIDO a VARENKA DE FÁTIMA ARAÚJO GARRRIDO, Contagem 28 de junho de 2017 como Delegada Cultural Internacional.

Certificado

De Reconhecimento Internacional de Talento pelo www.projetoveabrasil.blogspot.br à ATIVISTA CULTURAL VARENKA DE FÁTIMA ARAÙJO GARRIDO, contagem 13 de junho de 2017, Minas Gerais.

Certificado da Asociación " Cajamarca,Identidad Y Cultura"

Diploma de Honor a Varenka de Fátima Araújo pela ASOCIACIÓN CAJAMARCA ,IDENTIDAD Y CULTURA" Resolución de Felicitacón n. 554 - 2017 - ACIC, Cajamarca-Perú, Diploma de Honra a lá escritora y poeta de Brasil, 20 de junho de 2017.

sábado, 1 de julho de 2017

Jorge Gaspari

Em sonho
O diretor teatral
Jorge Gaspari
na pasta carregava personagens
subia e descia a escadaria da Escola de Teatro
sua gargalhada martelava no jardim
na peça "O Quarto" Varenka e Jesus Vivas
soltaram às frangas, é ela mesmo que comanda a cena
os laboratórios foram pesados Madalena Varenka,
a atriz puritana se revelando, fazendo da cena uma comédia
aquele olhar e sua voz me fizeram sua cúmplice
conversas soltas em todas dependências
da Escola de Teatro, nas ruas de Salvador
nas cadeiras e palco do velho teatro Santo Antonio
ele, professor, teatrólogo e, seu nome não ficou gravado
predileto como amigo e diretor
enquanto o seu rosto aparece e desaparece em minha mente.
eterno Jorge guerreiro amado.

Varenka De Fátima Araújo

No Espelho

Mirou se no espelho como se fosse outra, engoliu umas palavras que arderam na garganta, soltou uma rajada do sopro, formando uma silhueta disforme, seus cabelos em desalinho voaram e voltaram com tons de cores misturadas cinza e branco, não restava mais uma mulher escandalosamente com penas de pavão. Seu ego estremeceu dando lugar uma sinistra aparição, ela já não suporta um mundo feito de aparências, sua luta foi ao chão, pedras de todas tonalidades barraram todas aquarelas da sua autoria. Enquanto, o vento destrói sua pele em pontos visíveis, seus olhos endurecem como um loba furiosa que deixou sua mantilha desnecessária ao seu mundo.Segue só, como Joana D`Arc sem temer a fogueira.
Varenka De Fátima Araújo

sábado, 10 de junho de 2017

Minha Mãe

A doença persegue mesmo, minha vovó faleceu em um hospital  e, estendia a mão pedindo um dinheiro. Mamãe na sua lucides, com um poder de Mocinha perde o equilíbrio e, uma médica me diz: " Todos são teimosos, a mente de jovem com um corpo de 80 anos, então, caem, minha mãe já caiu". Poderia ser evitado, mas, minha mãe já está em casa, vai se recuperando lentamente, enquanto às pedras de gelos nos separam. Eu, sou mesmo como a lua que segue girando, girando.


quinta-feira, 8 de junho de 2017

A toda la gente

Texto: Varenka de Fátima Araújo
Traducción tentativa: Guillermo Bazán Becerra

El tiempo pasa como un viento que sopla y dispersa
las semillas, los embriones. El azul del cielo, decorado
con nubes es señal de que hay incontables esperanzas de
que llueva. Sin embargo, hay personas cuya mente está
con la mente trastornada por terribles visiones nacidas de
su ambición y maldad, a quienes no les importa quemar la
tierra y destruir cuanto esté a su alcance con tal de
satisfacer sus efímeras vanidades o acumular riqueza
devastando bosques, contaminando ríos y mares,
matando animales raros y usando todo tipo de tóxicos
aunque a la belleza natural la conviertan en escenario
fúnebre para todos. Para ellos, incendiarios de rencores y
ambiciones desmedidas, la existencia sólo vale si se
acomoda a sus desviados y oscuros conceptos de
progreso y libertad, si sólo les beneficia en sí.
Esas personas impías cubren lo atroz de sus
verdaderos rostros con máscaras, para engañar a quienes
no son de su grupo; tal vez el infierno ya está en nuestro
planeta, a pesar de todo el empeño y amor que ponen
contra eso las personas buenas. Nuestro planeta se
entrega generoso cada día para todos, sin excepción, y
cuando los buenos denuncian las maldades cometidas son
los malos jueces y autoridades que no cumplen su
obligación y permiten tales abusos y crímenes, que
llegado el momento afectarán a todos, absolutamente a
todos. Así, esos demonios llenos de poder, que corrompen
con su riqueza, andan sueltos, como monstruos
sanguinarios y arrasadores, a los que sólo les falta
privatizar el aire, sin querer darse cuenta que también
serán víctimas.
Insto a todos para que nos unamos con fe, coraje y
fraternidad para luchar por nuestro planeta Tierra.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Anete Simões me representando na ARLAC.

Rotary Club de Taubaté Oeste Caríssima acadêmica Varenka De Fátima Araújo, muito feliz e honrada em representá-la! Nós do Rotary Club Taubaté Oeste e da ARLAC - Academia de letras, Artes e Cultura estamos muito felizes por você!!!

Rotary Club de Taubaté Oeste  👏👏👏 Caríssima amiga acadêmica Varenka De Fátima Araújo, não temos dúvidas de que você - grande artista com imensa sensibilidade - e o Prêmio "Mahatma Gandhi" de Liderança para a Paz, se complementam com poética harmonia. Nós do Rotary Club de Taubaté Oeste e da ARLAC - Academia Rotary de Letras, Artes e Cultura estamos em festa com sua posse como acadêmica correspondente da ARLAC. Foi uma honra sem tamanha poder representá-la neste momento especial para todos nós. Saudações Culturais!

terça-feira, 30 de maio de 2017

Dunas de Stella Mares

Então....Nosso tempo é dominado
tempo de lucros perdidos
tempo dos político
tempo que não tem permuta.

Aqui nas dunas feitas no tempo
uma pausa e pose em um minuto
de paz em Stella Mares.

Declamando no Espaço Ambiental-Cultural-esportivo de Stella Mares

Um amigo não é para se guardar
ele se foi como um pássaro
o seu sapato de bico quadrado
parecia um personagem de Beckett
em seu último sorriso escondeu
o seu segredo como se fosse Sansão
marcou meu sorriso com suas mãos.
Varenka de Fátima Araújo

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Sarau da Onça

Na volta
uma cidade cemitério
os estampidos das armas
os gritos dos jovens poetas
o mesmo sangue, sangue
o vermelho que não para
todos fingem que estão seguros
trancados em suas casas
os políticos sem o mínimo de boa vizinhança
o vidro mostrava uma paisagem
no túnel uma mulher com sacos
na cabeça, em uma mão, na outra mão
os mendigos passeiam em alta noite
uma rodadinha como se estivesse
em Paris de Victor Hugo sem saída
ruas e becos escuros passavam
força de vontade de lutar
eu sei, não é fácil, meu jovem
continua sendo difícil o sacrifício
os poetas estão fazendo sua parte
Não! Não! Não é sina
os poetas estão mostrando seu tempo.
Varenka De Fátima Araújo

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Participo da Antologia Planeta Tierra


Assim, como o meu pai

Acho que são cinco da manhã
não, não são quatro horas
era a  hora que meu pai acordava
dormia com os livros na cama
pegava religiosamente um livro, lia
para vencer  a monotonia, tomava café
lá pela sete da manhã, era um defenssor
da leitura e educação igualmente para todos
bom dia pai, ele, você deve levar meus livros
é tão difícil viver sem meu pai
fico em pose como ele para senti lo aqui
uma dor incomoda, não posso olhar para trás
resolvi escrever, escrever
para escapar da dor, até hoje a arte do tropeço
resolvi me abanador de mim, por mim, para os outros
não pra mim mesmo, fora do tempo
com um papel e caneta sou risco em vermelho
ou, a rainha vermelha, cabelos de fogo
é assim, um amigo me chama
estou escrevendo porque fico lúdica
insisto nisso, sem saber o quê vai acontecar
nem aqui, nem no norte, nem no sul
não se ganha, não se é reconhecido
amigo, um livro pode abrir uma cabeça
entendeu a questão?

varenka de fátima Araújo

Beth


Ela,
vem faceira
mil caminhadas
em todas com sabedoria
família é para guardar
em Barcelona uma festa ímpar
em Recife deixou uma fortuna para trás
não armazena moedas
suas mãos desenham moldes
em linhas de cores
uma blusa, um vestido, uma mandala
uma força extraordínaria nos olhos
veio do sertão com toda fortalecida
uma boneca de porcelana em uma foto
com um sorriso segue sua trilha
uma rainha que não está no trono da Inglaterra
Elizabete Galdino Sá
minha prima com todo amor.
Varenka De Fátima Araújo

domingo, 30 de abril de 2017

Reitor da UfBA

Não sabia, completamente só desci do carro em frente da Faculdade de Arquitetura. Não tinha prazer, curiosidade muita, aliás, tinha muitas pessoas entrado no auditório.Cinco minutos, me aproximo do Professor João Salles, medi o espaço, dois passo, falei alto.
- Ahn...sei do seu gosto por livros.
- Ah, claro, gosto de literatura.
- Ah, é? Então, leva meu livro, tem duas poesias minhas. Eu sei que o senhor vai ganhar...Lembre de mim, quando tomar posse como Reitor Professor João Salles Pires.
Eu tive a impressão que todos da sala aprovaram minhas palavras.
Ao meu lado está o mais popular Reitor da UFBA.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Venha sorrir com a gente!!! Dr. Patrick Mascarenhas


Lá vem ele
sorridente
afetuoso, convidativo
vibrando-lhe os olhos
com honra, fidelidade
existe um grande reinado
escondido na mente
fazendo a festa o moço
segue girando no recinto
misterioso e encantador!
É impossível conter
o sorriso fascinante.
Em, " Vamos Sorrir"
o doutor inventor
do sorriso franco.

Varenka de Fátima Araújo





Era o espelho


O espelho
era os olhos
os dias escorrendo
retirando o brilho
fingo que sou
uma borboleta
uma onça faminta
solto os cabelos
tentando ser livre
a corda continua
prendendo meus pés
culpo um poema velho
um lenço, uma bandeira
olha as pedrinhas
sendo atiradas
em todas direções
tem nó cego
toda remessa
um dia acaba.

domingo, 23 de abril de 2017

Ilhas da Bahia - Clik em veja mais,um vídeo.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Coletânea Apparere de Poemas- No Espelho

Mirou se no espelho como se fosse outra, engoliu umas palavras que arderam na garganta, soltou uma rajada do sopro, formando uma silhueta disforme, seus cabelos em desalinho voaram e voltaram com tons de cores misturadas cinza e branco, não restava mais uma mulher escandalosamente com penas de pavão. Seu ego estremeceu dando lugar uma sinistra aparição, ela já não suporta um mundo feito de aparências, sua luta foi ao chão, pedras de todas tonalidades barraram todas aquarelas da sua autoria. Enquanto, o vento destrói sua pele em pontos visíveis, seus olhos endurecem como um loba furiosa que deixou sua mantilha desnecessária ao seu mundo.Segue só, como Joana D`Arc sem temer a fogueira.
Varenka De Fátima Araújo

Cabelo



Delongas
Estou ficando careca, sabe?
Estou colocando fio por fio em
minhas bonecas, da licença, posso sim.
A porta só abre de dia,
a noite não pode vaguear pelas ruas
os mendigos dobram esquinas
mentiras são faladas como verdades
tando diz e nada, nada.
Para ficar calada tem de enfiar a cabeça no balde
os peixes não vão gostar
acreditar depende de entender.
Eu não me iludo
a procissão vai passando
sem uma palavra solta com Ordem
também não entendo muita coisa....
Como os que falam e, usam sua força.
vejo rostos cansados, humilhados
desanimo em cada um que passa
não vejo a hora de acabar com essas delongas.

Antologia Virtual CEN XXII Edição

Olga Amazona
Ela é fascinante
parece a outra Olga
e de improviso
lá vai defendendo
por mistérios outras
mulheres, em tempos
lambuza sua telinha
entre os dedinhos
palavras certeiras
piruetas faz pra valer
ligeira e inteligente
se mostra calminha
sendo um vulcão
faz da profissão sua lida
segura cabeças pontudas
muitas quadradas
umas fora de órbitas
outro talento possui
uma poeta brilhante
o seu corpo em riscos
cresceu formoso
continua pequenina
dentro do meu coração.

Varenka de Fátima Araújo

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Paus brasis

Contanndo umas historias
um povo em pavoroso
só levanta na miséria
parecem caranguejo
sofrendo  de forma dessa
num  País fabuloso

Um reside na calçada
foi um capitalista
vindo do Brejo solteiro
queria vencer na bolsa
então furou seu bolso
chamava Sonalísta

Senhora de Roma dona
duma loja  tecidos
com honestidade
tesouro  destruídos
fitas fez de moldes
foi pra praça  Unidos

Depois Mocinha faleceu
apenas de combinação
não vivia como diarista
não guardava um tostão
seu corpo foi pra vala
não tinha sequer irmão

Mora aqui na cidade
um mendigo sem dente
mas disputa com Modesto
parca porção somente
o moço mais fedorento
pega comida fedente

Uma jovem do Mundo
uma mulher assanhada
foi pra cima do Roleno
acertou bem de cheio
apareceu a barriguinha
na  rua só espantada

O rapaz não achou justo
ela com grande tristeza
ao relento trazendo
uma criança na pobreza
não teve a tanta sorte
subiu  morro com certeza

Viagem de falsidade
conhece de presente
um mulato Sildade
o grande amor chegado
rapaz desce do morro
bum, uma bala perdida

Nesse governo enganoso
nada é esperançoso
sem grande segurança
tudo é engenhoso
ele só de todo poderoso
vai matando o povo

Varenka de Fátima Araújo

domingo, 9 de abril de 2017

Solale Barbosa

Fabulosa loirinha
olhar penetrante
gesto feminil
mente que atrai
bons fluídos
prazerosa, felina
segue faceteando
com elegância
desprendeu se da terra
que foi seu berço
começa a festança
em outra terra promissora
tentando ornar frases em inglês
esfusiante, dirigindo
na neve, pelas ruas
tinha uma carta marcada
encontra o amor
não foi um conto de fadas
na verdade era seu amor
guardado só para você
junto da sua família
que será para sempre
Feliz aniversário, prima

Varenka de Fátima Araújo

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Conceição Castro


Ela estoura
com a folha exposta
não, não é com o lado
louco do momento
creio com sua lucidez
cabelos lilás,rosas, pretos
ficam bem na cabeça
toda, toda moderna
seus olhos captam
tudo o que vai rodando
aparece e some
com a mesma firmeza
resumindo tudo
Obrigada, amiga

Varenka de Fátima Araújo

sexta-feira, 31 de março de 2017

Carta - Povo

Ao Povo,

       O tempo passou com o vento que soprou e dispersou às sementes, embriões.  Ainda o céu anil borrado de nuvens, chuvas  de mil esperanças. Depois visões que turvam a mente, são os homens jogando fagulhas queimando a Terra, esses homens passam com suas vaidades efêmeras, enriquecem com a fartura da mãe terra, devastando matas, poluindo rios e mares, matando os animais raros, garimpado com seus golpes e, mortalhas fúnebres. Os verbos da existência mimosa não conjugam, o Progresso e a Liberdade, estão sendo banidos, labaredas de rancores estão bebendo.
          Mascaras dos ímpios homens permanecem fixadas nos rostos dos atrozes, talvez o inferno já esteja instalado no Planeta. A seiva dos homens bons que tocam pianos  é pequena, pequena, que suas missões não atingem neste plano.  O Planeta com suas chaves de eternas portas, abem para todos, os severos juízes  os escarnecem, encerrando portas, aprisionando os animais, homens, terras demarcadas, limitando tudo. Os demônios estão soltos, monstros, piores que horríveis monstros, estão destruindo, só faltam privatizarem nosso ar.
          Povos, conclamo todos unidos com fé, coragem, irmandade, para  lutarmos por nosso Planeta Terra.

Varenka de Fátima Araújo
Texto: Varenka de Fátima Araújo
Traducción tentativa: Guillermo Bazán Becerra
A toda la gente
El tiempo pasa como un viento que sopla y dispersa
las semillas, los embriones. El azul del cielo, decorado
con nubes es señal de que hay incontables esperanzas de
que llueva. Sin embargo, hay personas cuya mente está
con la mente trastornada por terribles visiones nacidas de
su ambición y maldad, a quienes no les importa quemar la
tierra y destruir cuanto esté a su alcance con tal de
satisfacer sus efímeras vanidades o acumular riqueza
devastando bosques, contaminando ríos y mares,
matando animales raros y usando todo tipo de tóxicos
aunque a la belleza natural la conviertan en escenario
fúnebre para todos. Para ellos, incendiarios de rencores y
ambiciones desmedidas, la existencia sólo vale si se
acomoda a sus desviados y oscuros conceptos de
progreso y libertad, si sólo les beneficia en sí.
Esas personas impías cubren lo atroz de sus
verdaderos rostros con máscaras, para engañar a quienes
no son de su grupo; tal vez el infierno ya está en nuestro
planeta, a pesar de todo el empeño y amor que ponen
contra eso las personas buenas. Nuestro planeta se
entrega generoso cada día para todos, sin excepción, y
cuando los buenos denuncian las maldades cometidas son
los malos jueces y autoridades que no cumplen su
obligación y permiten tales abusos y crímenes, que
llegado el momento afectarán a todos, absolutamente a
todos. Así, esos demonios llenos de poder, que corrompen
con su riqueza, andan sueltos, como monstruos
sanguinarios y arrasadores, a los que sólo les falta
privatizar el aire, sin querer darse cuenta que también
serán víctimas.
Insto a todos para que nos unamos con fe, coraje y
fraternidad para luchar por nuestro planeta Tierra.

domingo, 19 de março de 2017

Agradecimento ao Heli Sampaio

Me equilibrando entre o fio da calçada
Esbarrei com o sol beijando muitas pedras
Visualizei uma porta me convidando para adentrar
Mergulhei nos olhos azuis da cor do mar
Na profunda sintonia com Heli Sampaio
Investigador de coisas maravilhosas
Pedras preciosas, fotografias, foceis arqueológicos
Hábil na oratória foi um encontro inusitado
De um gosto por letas rebuscadas
Um acolhimento da Mulher Pedra, sarau Varvara
Heli sendo diretor do Museu geológico
Acolhendo todos artistas com diplomacia
Homem de muitas facetas sensacionais
Sendo o Museu um lugar sagrado das Artes
A mais alta posição deve ser do diretor 
Heli Sampaio merecedor de muitas honrarias.
Gratidão meu bem feitor.

Varenka de Fátima Araújo







Sarau Varvara

Procurava uma Pedra Filosofal, encontrei várias no Museu Geológico da Bahia. Motivada com o apoio do Diretor Heli Sampaio Filho, reuni outras entre às pedras do Museu, vários poetas que primam pelas expressões poéticas, soltaram suas poesias desde "Mulher Pedra" surgindo o Sarau Varvara.
Neste livro, estão poesias dos poetas que participaram do Sarau e Varenka.
Como um diamante que solta luz, poetas com suas suas poesia iluminam com toda intensidade este livro.Poetas que estão no livro com suas poesias; Elder Santos, Yuri Santana, Olga Amazona, Elisenilda, Robson Dy Corrêa, Luiz Barreto Vieira, Audelina Macieira, Valdeck Almeida de Jesus, Fabio Handel, Antonio J. Cardiais, Conceição Castro, Conceição Ferreira, Dr. Nilvano Andrade, Maria Anita Guedes, Leandro Alves Dias, Valter Bitencourt Júnio, Milica San, Germano Machado,
Fátima Oliveira, Varenka de Fátima. Tem uma foto de Josue Ramiro Ramalho declamando.

Varenka de Fátima Araújo

Heli Sampaio


Heli declamando minha poesia " PAZ" e "Trovas de Amor". Foi gratificante ouvir na sua voz  minha poesias.Tive mesmo muita sorte em conhecer um homem que valoriza os poetas, artes. Da luz singela, vibramos com mais um sarau Varvara.

Nada de carne

Ela, não come carne,
só o abraço do Mauricio,
faz ela sentir o cheiro de carne com paixão.


Varenka de Fátima Araújo

sábado, 4 de março de 2017

Para Guilerme Bazán Becerra

 Para Guillerme Bazán Becerra

    Com carinho,

    Guillerme Bazán Becerra, estou te escrevendo para expressar o meu sonho, palavras não dizem muito, ficam um pouco nas entrelinhas.
    Guillerme  Bazán Becerra, quando recebi tua mensagem pela net, que é uma pequena tela para aproximar os queridos separados pelos  mares e terras. Sim, pedias que eu enviasse uma poesia para uma Antologia Internacional. Uma estrela brilhou, nada mais era breu, tu sabes realizar os sonhos dos poetas, meu favorito escritor com maestria, minha esperança ultrapassou meu desejo, foi concretizada, traduziste minha carta para o espanhol para perpetuar tanta harmonia entre amigos da Literatura.
     Levantaste meu espírito meu bom amigo, já, já, amizade é o amor primeiro, profundo e indelével!
     Tudo aqui é mais difícil, tudo soa falso, poucos são os divulgadores Internacionais, viajam com muitas idéias, nada constante, talvez seja pela triste faze que  estamos atravessando no meu Brasil.
      Guillerme Bazán Becerra, introduziste outro ritmo para elevares os poetas, escritores aos céus, com letras brilhantes diversas, espalhando cheiros de amor.
        Tua missão desbravador de poetas é imensa, meu sonho, é grade, é grande, vamos juntos plantando semente. Quiçá no princípio, meio, fim do Mundo estas letras façam outras pessoas enxergarem o amor.
         Para escrever esta carta, pedi um sonho, onde sua figura fizesses uma aparição, cá entre nós, todos fiquem cientes, tu pareces fisicamente com meu pai, laços familiares com lampejo de amor nos envolve.
         Desejo muita saúde, disposição para tua longa jornada.

Um abraço para ti, meu grande amigo.

Varenka de Fátima Araújo

quarta-feira, 1 de março de 2017

Diploma de Honor Y Gratitude


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Lançamento do Livro Sarau Varvara 13/03/2017

Vai fazer arte?
Vou sim, senhor catador
é, é, aqui não tem preço de ocasião
sim,sim os plásticos estão perfeitos
pois é, a loja deposita todos os dias
nesta mesma hora,sou o dono deste pedaço
desculpa irmão, posso levar este para fazer arte
sim, sim pode levar, não vai fazer falta mas, só hoje
claro que sim, com os olhos rasos de lágrimas
olhando para aquele senhor maltrapilho
acho bacana fazer arte
sim, essa é a arte da solidão
o artista procura o material
trabalha sozinho em um lugar
leva a obra para expor só
e o tempo leva sua recriação
a senhora é divertida
não, não, apenas falo muito
já fizeram tudo sobre arte
jura, senhora?
eu não, foi uma professora de arte
em aula, falou bem em seu português
então nada é novidade?
sei não, o senhor já fez uma refeição
estou em jejum, só quando entregar os sacos
venha senhor, na padaria tem pão
entreguei um bolo,uma torta, café com leite
ele apertou minha mão, até um dia,senhora
dei uns passos, vida louca.
Varenka de Fátima Araújo

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Ouro, ouro quêm quer?

 Sim, porque o melhor brilho é do ouro, não podemos usar na rua, já sabem o marmanjo pega, com estratégia. Não pode..., pode sim, usar em festas, os famosos usam, tem umas que usam tanto ouro, ficam parecendo árvore de natal, ouro é ouro.
Acontece que o ouro vale tanto, como o real, existem pessoas nas ruas com cartazes  indicado onde se compra, ou, vendem ouro.
Olha, preste bem atenção a malandragem é bem esperta..., eu não tenho, nem uso, meu luxo é um bom livro, feliz é quem tem um livro.
A terrinha, como chamam à Bahia é riquíssima..., então, estão comentando que no interior da Bahia descobriram ouro, os garimpeiros estão fazendo festa, estão indo para o sertão, cavando, enfiando a mão na terra, retirando ouro, a população do local está em alvoroço.
Os que vão para lá, estão pegando uma barrinha de ouro para desfrutarem neste tempo.
Pobreza tem, melhor esquecer..., mas, a terra é rica. Os jornais não publicam, faz muito bem. O ouro ofusca muitos, pode ter  uma invasão sem precedentes.
Lembrando  teve um  baiano que rumou para o Juazeiro do Norte do Padre Cícero procurando ouro.
Que pegadinha?, o ouro sempre esteve na terrinha de um famoso baiano.

Um homem disfarçado.

De tempos em tempos, Margarida faz seu passeio matinal, segue para Araújo Pinho para colocar em ordem pendências. Como sempre anda pela calçada, encontra com um homem alto escuro com roupas de tons: branco e preto sentado na calçada  com um giz na mão desenhado na calçada.
Entretanto aquele homem estingava a mulher, ela circulando seu desenho que olhando rapidamente parecia, um macaquinho que às crianças, em seu  tempo gostavam de brincar. Mas..., não era um macaquinho, não tinha o céu. Depois de cinco minutos, ele levantou a mão, pediu uns reais.
Os olhos de Margarida quase pulavam, então o senhor quer dinheiro para quê?
Não senhora, não posso falar.
Margarida inconformada..., ah, vou te dar dinheiro, não possa saber como o senhor vai usar...., dinheiro não cai do céu, o meu é do meu suor, fica com seu céu seu mendigo.
Não sou mendigo, sou arquiteto.
Ela, examinou bem o desenho, percebeu que era uma plante de um edifício
Luz, giz, cimento, concreto, esqueceu o que falou para o homem, colocou uns reais em sua mão.
Fatos inexplicáveis perseguem este homem, tem consciência do que faz, ele lê jornais, não é um pedinte qualquer, nesta terra tão rica.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Eu amava brincar e dar voltas em postes. No entanto tenho meu nome em um poste em Plataforma pintado por Perinho Santana, fui verificar para aplacar minha curiosidade e agradecer ao artista.

Mulher= poesia de Varenka de Fátima



Olhar para paredes, muros pintada com poesia de Perinho Santana ao  livre em Plataforma, em meio ao tempo. mas esta ideia vem da cabeça de Perinho Santana e que ele se apreça em executar, vai ao terminar de pintar a poesia e volta para ver o trabalho. Assim este livro, abre suas páginas de dia e noite. Eu me sinto honrada e, ao mesmo tempo me considero uma felizarda por ele ter selecionada uma poesia minha, colocada na Casa do Poeta


Perinho Santana


Pintor, poeta , labuta faz muito tempo, pintando suas poesias em muros, como se fossem páginas de livros, suas pinturas são feitas em Plataforma, um bairro bem distante do centro de Salvador. Não tem patrocinadores, tira do suado dinheiro, um pouco para comprar tintas, pinceis. Eu sei .....,da sua luta, ele tem filhos, um pequeno para criar. Sua casa está pintando poesias em todas paredes para inaugurar como CASTRO ALVES A CASA DO POETA, não é reforma, apenas um sonho. Que coisa ele precisa só de uma ajuda. Mas essa é a verdade de todo artista,  têm de ter...,garra, sensibilidade, autenticidade. Vamos seguindo, fazendo o papel do produtor,divulgador..., essa é a onda gigante que engole muitos, eu sei Perinho, seu legado vai ficar eternamente.



quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Biblioteca Patativa do Assaré - SP

Conheci Marina Gentile na Feira do Livro do Campo Grande. Quem é Marina? Uma escritora, avida colecionadora de livros. Mãe amorosa, esposa fiel, é uma pessoa de punho forte. Marina foi embora para o São Paulo. A feira do Livro, eles acabaram, conduzindo inevitavelmente para empurrarem os poetas, editores para um beco sem saída, lamentamos com o fim da Feira mas, continuamos publicando com o nossa suado dinheiro, lançando livros em Saraus, não, não o povo não ficará mais pobre sem cultura. Aqui, vamos dando um jeitinho.
Em uma certa noite, eu sonhei com meu pai, ele costumava dormir, acordava às 4 horas da manhã, pegava um livro, largava para tomar café, meu pai em sonho me orientou, vai doando os livros filha, acordei, eu me pus como uma menina procurando meu pai, ele me deu um toque, procurei uns livros enviei para Marina para que ela colocasse em uma biblioteca, demais para mim, meu livro na Biblioteca Patativa do Assaré- SP.

Pintura de Perinho Santana

Perinho Santana, vive em Plataforma, sempre foi um Mestre nato, da pintura por aqui, quanto cheiro de tinta, talento próprio, Perinho escreve poesias, mistura com tinta em muros, paredes, chão, deposita em prática sua arte que começou lá atrás. Acompanhei quando entrou na Internet, postando textos e pinturas suas, reclamava do tal bicho da net, foi vencendo, uma chance de divulgar seus trabalhos. Lá em Plataforma tem Perinho, bem humorado, por vezes aflito com o que se passa em sua volta.
Desculpa se espalhafatosa sou, é o meu jeito, um certo dia ao abrir o Facebook estava esta foto, caramba..., ele é mesmo um artista. Amigo, foi uma honra para mim, não tenho uma placa de rua, tenho o meu nome em uma pintura, rodeada de letras com o meu nome. O tom da minha enorme placa ficou sensacional! Vai do outro lado de Salvador o meu, muito obrigada.