sexta-feira, 31 de março de 2017

Carta - Povo

Ao Povo,

       O tempo passou com o vento que soprou e dispersou às sementes, embriões.  Ainda o céu anil borrado de nuvens, chuvas  de mil esperanças. Depois visões que turvam a mente, são os homens jogando fagulhas queimando a Terra, esses homens passam com suas vaidades efêmeras, enriquecem com a fartura da mãe terra, devastando matas, poluindo rios e mares, matando os animais raros, garimpado com seus golpes e, mortalhas fúnebres. Os verbos da existência mimosa não conjugam, o Progresso e a Liberdade, estão sendo banidos, labaredas de rancores estão bebendo.
          Mascaras dos ímpios homens permanecem fixadas nos rostos dos atrozes, talvez o inferno já esteja instalado no Planeta. A seiva dos homens bons que tocam pianos  é pequena, pequena, que suas missões não atingem neste plano.  O Planeta com suas chaves de eternas portas, abem para todos, os severos juízes  os escarnecem, encerrando portas, aprisionando os animais, homens, terras demarcadas, limitando tudo. Os demônios estão soltos, monstros, piores que horríveis monstros, estão destruindo, só faltam privatizarem nosso ar.
          Povos, conclamo todos unidos com fé, coragem, irmandade, para  lutarmos por nosso Planeta Terra.

Varenka de Fátima Araújo

0 comentários:

Postar um comentário